Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Domingo, 1 de Agosto de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Preço do milho vai se manter?

Menores estoques finais dos últimos oito anos, suficientes apenas para um mês de consumo

Por: AGROLINK -Leonardo Gottems - 14 de agosto de 2020 - 09:07

Preço do milho vai se manter?

Na opinião da equipe de analistas da T&F, os preços do milho deverão se manter firmes durante todo o segundo semestre deste ano, bem como também do primeiro trimestre de 2021, antes da entrada da safra de verão nos estados do Sul. “Há mais de um mês estamos alertando que o mercado tinha viés de alta a médio e longo prazos (a curto prazo havia a pressão da colheita da Safrinha)”, apontam.

“Nossa recomendação sempre foi: venda apenas o que for necessário para abrir espaço nos armazéns ou fazer caixa, mas guarde a maior parte para vender mais tarde. Hoje soubemos de um investidor nosso que fez uma posição de milho na B3 a R$ 51,70 e que agora esta posição está a R$ 54,70, rendendo um bom dinheiro”, exemplificam os analistas.

De acordo com eles, a alta já veio, a médio prazo, não casualmente logo depois da divulgação do quadro de Oferta & Demanda da Conab de agosto, onde ela constatava os segundos menores estoques finais dos últimos oito anos, suficientes apenas para um mês de consumo: “Qualquer fator que aumentasse de leve este consumo (sendo o principal deles, o dólar, que elevaria as exportações do grão e das carnes), iria provocar falta de matéria prima no final da safrinha e antes do início da colheita da próxima safra de verão, em fevereiro”.

“São, portanto, sete meses de consumo em alta escala, que poderão facilmente usar os poucos estoques finais e provocar falta de matéria-prima e alta dos preços. E o dólar, se valorizou 5,41% desde a semana finda em 19 de junho. No ano, o dólar salta 34,88%. É certo que ainda restam aproximadamente 30% do milho safrinha para ser colhido, mas todos sabemos que este volume será apertado para atender exportações e mercado interno. Então, a tendência é de preços em alta, daqui para frente até a entrada da safra de verão que ainda nem foi plantada”, conclui a T&F.

SIGA-NOS NO Google News