Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quarta, 21 de Abril de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Divulgado resultado da eleição para o Conselho Superior do MPMS

A eleição foi virtual

Ana Carolina Vasques/Jornalista-Assecom MPMS - 05 de dezembro de 2020 - 06:51

Foto: Ana Paula Leite/Jornalista-Assecom MPMS
Foto: Ana Paula Leite/Jornalista-Assecom MPMS

A Comissão Eleitoral divulgou há pouco o resultado da eleição para a escolha dos novos Conselheiros do MPMS, biênio 2021/2022. Pela segunda vez, o processo eleitoral foi realizado virtualmente, por meio do Sistema de Eleição Eletrônica do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul.

Este ano, são nove vagas para dez candidatos, sendo que o menos votado, automaticamente, torna-se suplente.

Irão compor o quadro do Conselho Superior, no biênio 2021/2022, os seguintes Procuradores de Justiça: Mara Cristiane Crisóstomo Bravo – 163 votos; Francisco Neves Junior – 160 votos; Lenirce Aparecida Avellaneda Furuya – 159 votos; Silasneiton Gonçalves – 153 votos; Ariadne de Fátima Cantú da Silva – 147 votos; Alexandre Lima Raslan – 146 votos; Evaldo Borges Rodrigues da Costa – 138 votos; Esther Sousa de Oliveira – 134 votos; Gerardo Eriberto de Morais – 125 votos; e Aroldo José de Lima – 104 votos.

Ao todo, 209 membros votaram, de um total de 216, sendo registradas 7 abstenções e 1 voto nulo.

Além da Comissão Eleitoral, acompanharam também o pleito a Secretária-Geral do MPMS Bianka Karina Barros da Costa e o Presidente da Associação Sul-Mato-Grossense dos Membros do Ministério Público (ASMMP), Romão Avila Milhan Junior.

Comissão Eleitoral

A Comissão Eleitoral designada para este pleito é formada pelos Procuradores de Justiça Olavo Monteiro Mascarenhas, Antonio Siufi Neto e Belmires Soles Ribeiro, como titulares, e Jaceguara Dantas da Silva, como suplente.

Eleição virtual

O Sistema de Eleição Eletrônica do MPMS destina-se à realização de eleições uninominais ou plurinominais da Instituição, permitindo que Promotores e Procuradores de Justiça, devidamente habilitados, conforme regras previstas na Política de Segurança da Informação, participem remotamente dos processos eleitorais, utilizando computadores conectados em rede para o envio de voto. O sistema constitui um software livre, com código-fonte e documentação liberados, facilitando o processo de auditoria da implementação.