Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Sexta, 26 de Novembro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Servidores da Anvisa decidem hoje se haverá ''trégua''

Flávia Albuquerque / ABr - 02 de maio de 2006 - 14:30

Os servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidem na tarde de hoje (2) se continuam a paralisação iniciada do dia 21 de fevereiro ou se realizam "trégua" de 10 dias à espera da reabertura das negociações pelo governo. O assunto será discutido durante reunião em Brasília com o comando de greve da Federação Nacional dos Servidores Públicos da Seguridade Social (Fenasps).

A "trégua" foi decidida em assembléia no Rio de Janeiro no último dia 27 e a decisão repassada para a Fenasps. De acordo com o coordenador do comando de greve da federação, Célio dos Santos, durante o encontro de hoje será apresentada a decisão dos outros estados sobre a trégua.

"O desenho que temos é de que essa trégua realmente aconteça, mas ainda não temos a confirmação", diz Santos. Segundo ele, o governo pede que os servidores voltem a trabalhar para negociar, mas a Fenasps não concorda em retomar as atividades sem uma garantia de que as reivindicações serão atendidas. "Caso se decida mesmo pela trégua, esperaremos até o dia 9. Se o governo não abrir as negociações, a greve será retomada."

De acordo com o coordenador do comando de greve, a paralisação começou no dia 21 de fevereiro porque o governo federal não cumpriu o acordo assinado no ano passado. Os trabalhadores reivindicam enquadramento na carreira dentro da Anvisa e a organização do plano de carreira.

A assessoria de imprensa da Anvisa informou que a diretoria agência participará de uma reunião amanhã (3) com representantes do ministério do Planejamento e da Casa Civil. Eles vão trabalhar em um acordo a ser oferecido aos grevistas.

Para normalizar os serviços, nos últimos dias 29, 30 de abril e 1º de maio, 66 funcionários da Anvisa fizeram um mutirão no Porto de Santos e nos aeroportos Internacional de São Paulo (Guarulhos) e Internacional de Viracopos (Campinas), em São Paulo, e no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim.

Os trabalhadores realizaram oito mil ações de vigilância sanitária (processos de fiscalização e liberação de produtos para embarque e desembarque das mercadorias). A Anvisa irá agora cadastrar os dados das liberações realizadas no mutirão.

SIGA-NOS NO Google News