Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quarta, 10 de Agosto de 2022
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Ronaldinho Gaúcho é personagem em gibi antidrogas

Agência Brasil - 14 de junho de 2006 - 15:59

As crianças e os jovens serão o alvo principal do governo na Semana Nacional Antidrogas, que começa na próxima segunda-feira, dia 19 de junho. A campanha "Diga Sim a Vida" tentará levar informações aos adolescentes para que eles se convençam a rejeitar as drogas por responsabilidade e, não, por medo dos pais, da polícia ou dos professores.

Nas escolas, serão distribuídos gibis com mensagens educativas. "Trata-se uma revista em quadrinhos, da turma da Mônica, elaborada pelo cartunista Maurício de Souza, que traz um novo personagem, o jogador de futebol, Ronaldinho Gaúcho, um dos parceiros da iniciativa", conta o secretário nacional antidrogas, Paulo Uchoa, que participou hoje, de um seminário promovido por delegados federais em Recife.

De acordo com ele, o governo pretende realizar uma mobilização nacional evolvendo conselhos estaduais e municipais de entorpecentes, escolas, templos religiosos, famílias, organizações da sociedade civil e empresas. O objetivo é esclarecer os jovens, evitando que eles sejam seduzidos a consumir drogas.

"A sociedade tem um papel fundamental na questão do enfrentamento das drogas e participa timidamente com uma ou outra organização não governamental ou clube de serviço, mas é preciso que haja uma maior articulação em conjunto com todos os níveis de governo", ressalta Uchoa.

Com relação ao tráfico de drogas, o secretário nacional antidrogas enfatizou que a maior preocupação é aparelhar os órgãos policiais e aprimorar o serviço de inteligência policial. Para ele, a nova lei ant-drogas, já aprovada na Câmara Federal e em tramitação no Senado, será um instrumento relevante na redução da demanda e na oferta de entorpecentes.

Entre as principais mudanças na legislação estão as penas aplicadas aos traficantes e o tratamento diferenciado para dependentes químicos, que serão julgados por tribunais especiais.



SIGA-NOS NO Google News