Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Terça, 15 de Junho de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Queda no preço do milho preocupa

Eudete Petelinkar - 18 de junho de 2003 - 10:15

A previsão de uma super safra de milho começa da derrubar o preço do produto em todo país. Para a diretora do departamento técnico da Famasul, Tereza Cristina Corrêa da Costa se não houver uma interferência do governo, haverá grandes prejuízos para os produtores, e a próxima safra ficará comprometida como aconteceu em 2002. "os produtores foram estimulados a investir na cultura do milho, o Estado recuperou a área plantada e agora não temos nem onde estocar a produção.
Segundo estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)deverão ser colhidos cerca de 1.825 milhão de tonelada de milho em Mato Grosso do Sul. Um aumento de 147% em relação a safra passada. A área plantada aumento de 53%, passando de 365 mil hectares na safrinha de 2002 para 560 este ano. De toda essa produção, apenas 20% é consumida na Estado, o restante não tem onde ser armazenado. Os armazéns de MS ainda estão com estoque de soja.//
Com toda essa situação o mercado já começou a reagir. De ontem para hoje o preço do milho já apresentou uma sensível queda. De acordo com dados de uma cerealista da região de Dourados, ontem a oferta para compra de milho foi de R$13,40 a saca, e os produtores seguraram o produto; hoje houve compra à R$11,50. A projeção da cerealista é que a partir de julho, quando começar a colheita, o preço chegue a R$11,00. Já o diretor da Corretora Granos, Carlos Ronaldo Dávalos é mais otimista. Para ele o preço deve permanecer em R$12,00. Carlos que atua na Bolsa Mercantil de Mercadorias disse que hoje havia mais de 50 mil ofertas no mercado livre à R$13,00, enquanto os compradores ofereciam R$12,00. No Porto de Paraná o preço praticado nesta Terça-feira foi de R$17,80 para compra imediata e R$18,10 para julho. " A queda acentua-se a medida que se aproxima acolheita, mas não acredito que passe dos R$12,00.
A justificativa para a queda do preço concentra-se somente na super produção. Segundo o serviço de meteorologia da Embrapa o tempo se manterá bom, com noites frescos e boa unidade do solo, permitindo que o milho se desenvolva bem e melhore ainda mais a produtividade. Além disso não há previsão de chuva nem de geada até o dia 30 de junho.
Para Tereza Cristina a única solução para que o preço não baixe ainda mais seria o lançamento, por parte do Governo de mecanismos, como por exemplo opções compra futuro para milho na Bolsa de Mercadoria.

SIGA-NOS NO Google News