Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Segunda, 26 de Fevereiro de 2024
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Produtores recebem com "euforia” aprovação de crédito

Fabiane Sato - 18 de abril de 2009 - 10:22

Os produtores rurais de Mato Grosso do Sul ficaram mais otimistas com a criação da linha de crédito de R$ 10 bilhões para frigoríficos do Conselho Monetário Nacional – CMN, aprovada na quinta-feira, dia 16. Conforme o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS – FAMASUL, Ademar Silva Junior, a entidade está verificando o trâmite para que a linha beneficie não só as indústrias frigoríficas, mas também os pecuaristas. “Com as linhas de crédito, nossa expectativa é que ela beneficie indiretamente o produtor rural”, explicou Silva Junior referindo-se ao pagamento dos pecuaristas que entregaram seu boi e acabaram por não receber das empresas.



A linha de crédito será primordialmente para os frigoríficos. A taxa final cobrada pelo empréstimo será de 11,25% ao ano. O presidente da FAMASUL também falou sobre a necessidade de que esse recurso chegue ao setor sucroalcooleiro. “Era um setor que estava em franco crescimento no Mato Grosso do Sul, mas por conta da crise financeira teve seus investimentos adiados”, frisou.



Reunião com credores

A FAMASUL reunirá pecuaristas credores do Frigorífico Independência na próxima quinta-feira (23), às 10 horas, na sede da instituição, em Campo Grande. “Queremos buscar junto com os pecuaristas recursos para que seus débitos com a indústria sejam sanados”, comentou Silva Junior. A FAMASUL quer saber a opinião dos produtores sobre a reativação da unidade da empresa em Nova Andradina proposta pelo movimento liderado pelo Governo do Estado.



O Independência deve cerca de R$ 46 milhões a pecuaristas sul-mato-grossenses. Em março, a empresa decidiu pela recuperação judicial como melhor saída para continuar funcionando. No processo de recuperação, os pecuaristas teriam prioridade no pagamento, pois a empresa necessita de gado para manter a produção.



A situação muda com a reativação da unidade em Nova Andradina, pois os pecuaristas perdem a garantia de pagamento. O reflexo negativo da decisão nos empregos no setor pecuário seria imediato. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged, a agropecuária é a maior empregadora de MS. No primeiro trimestre de 2009, o setor gerou mais de 4000 postos formais de trabalho.




SIGA-NOS NO Google News