Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Sexta, 19 de Agosto de 2022
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Produtores de MS pedem garantia de preços mínimos

Roberta Lopes/ABr - 09 de maio de 2006 - 21:36

A garantia de preços mínimos para a compra de produtos agrícolas é a principal reivindicação do Movimento Alerta no Campo, de Mato Grosso do Sul. A pauta de reivindicações do movimento foi apresentada ontem (8) a deputados da Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados e ao governador do estado, José Orcírio Miranda dos Santos (Zeca do PT).

"Hoje há uma legislação que garante preços mínimos para a compra de produtos agropecuários que não é respeitada pelo mercado. Só para citar um exemplo, o preço mínimo do milho é R$ 14 e nós estamos vendendo a R$ 8," afirmou o diretor da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Ademar da Silva Junior.

Segundo Silva Junior, também é urgente a desoneração dos produtos usados na produção agrícola, a criação de um câmbio para exportação de produtos agrícolas, apoio para a agricultura familiar e o refinanciamento das dívidas.

Sobre os resultados da reunião, Silva Junior disse que os deputados vão buscar sensibilizar o governo federal sobre as necessidades do setor. "Os deputados garantiram que amanhã (10) estarão reunidos com os ministros do Planejamento, Paulo Bernardo Silva; da Agricultura, Roberto Rodrigues; da Fazenda, Guido Mantega; e da Casa Civil, Dilma Rousseff, para levar uma pauta de reivindicações do Mato Grosso do Sul", informou.

O diretor da Famasul lembrou que ontem, em algumas cidades do estado, as agências da Secretaria de Fazenda foram fechadas por produtores rurais para chamar a atenção do governo e da sociedade civil para os problemas do setor. Alguns trechos de rodovias também foram bloqueados pelos manifestantes.

"Agora, tanto a Procuradoria Geral da União quanto a Procuradoria do Estado concederam liminares para esse desbloqueio. A federação e os sindicatos vão cumprir as liminares, apesar de contestá-las. O movimento cresce de forma pacífica, e agora vamos buscar sensibilizar a sociedade civil para o real problema do agronegócio no estado de Mato Grosso do Sul", concluiu Silva Junior.

SIGA-NOS NO Google News