Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quarta, 29 de Junho de 2022
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Preso com cocaína avaliada em mais de R$ 1 milhão era monitorado há 30 dias

Campo Grande servia de entreposto até a droga ser levada para outros estados

Midiamax - 23 de maio de 2022 - 12:54

Preso com cocaína avaliada em mais de R$ 1 milhão era monitorado há 30 dias pela polícia
(Foto: Henrique Arakaki/Jornal Midiamax)

O motorista do caminhão preso na noite de sábado (21), em Campo Grande, na BR-163, com pasta base de cocaína escondida estava sendo monitorado há cerca de 30 dias pela polícia até a sua prisão em ação conjunta com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), e a Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico).

Segundo informações, como a droga estava muito bem escondida foi necessário chamar um mecânico para que a pasta base de cocaína fosse retirada do caminhão. O motorista tinha a função de fazer o transporte da droga para outros estados brasileiros.

Ainda de acordo com informações passadas pelo delegado Hoffman D’Ávila, em Campo Grande a cocaína é vendida a R$ 20 mil e já para outros estados a comercialização chega a R$ 40 mil.

A prisão

A prisão aconteceu por volta das 23 horas, no km 490 da BR-163, quando, após receber informações sobre o carregamento da droga, os policiais abordaram o caminhão. O motorista de 44 anos acabou entrando em contradição e durante vistoria no veículo foi descoberta a cocaína escondida na quinta roda do caminhão.

O homem foi levado para a delegacia e em depoimento disse que em dezembro de 2021 adquiriu um caminhão por meio de financiamento, estava com duas prestações atrasadas e passando por dificuldades financeiras. Por isso, teria aceitado fazer o transporte da droga, mas não sabia a quantidade que havia sido escondida no caminhão.

Ele ainda disse que carregou a carga de sucatas em Cáceres, no Mato Grosso, e que iria levar até São Paulo. Pelo serviço iria receber o valor de R$ 10 mil, e a cocaína seria avaliada em R$ 1 milhão e 290 mil. Ele não revelou quem o contratou.

SIGA-NOS NO Google News