Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Domingo, 14 de Agosto de 2022
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Petrobras ainda analisa situação com decreto de Morales

Humberto Marques/Campo Grande News - 01 de maio de 2006 - 18:36

A direção da Petrobras irá analisar ao lado de autoridades brasileiras as conseqüências para a empresa da nacionalização dos campos de exploração de petróleo e gás natural na Bolívia, anunciada hoje pelo presidente Evo Morales – ao mesmo tempo em que tropas militares e técnicos da YPFB (Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos, estatal do setor no país vizinho) invadiram instalações petrolíferas pertencentes a indústrias estrangeiras.

Ildo Sauer, diretor de Gás e Energia da Petrobrás, disse à Folha Online que “a medida [tomada pelo governo boliviano] ainda está sendo objeto de exames mais detalhados”. Ainda hoje, a Petrobras deve divulgar nota oficial sobre o assunto. “Estamos todos preocupados em ter uma posição o mais cedo possível, para assegurar os interesses da Petrobras e dos seus acionistas”. Porém, Sauer disse que o contrato da empresa com a YPFB não será afetado pela decisão do governo boliviano, o que afasta o risco de desabastecimento. A questão interessa a Mato Grosso do Sul pelol fato do gás natural importado da Bolívia é uma das principais fontes de ICMS para o tesouro sul-mato-grossense, uma vez que a entrada do Gasbol (Gasoduto Bolívia-Brasil) em território nacional se dá pelo Estado – onde é recolhida a tributação.

Com o decreto assinado por Morales, todas as empresas estrangeiras do setor do gás e petróleo na Bolívia devem entregar as propriedades para a YPFB, que assumirá a comercialização do produto – incluindo as decisões quanto a condições, volume e preços, para o mercado interno e externo. Desde 1996, a Petrobras já investiu US$ 1,5 bilhão na Bolívia, além de US$ 2 bilhões para trazer o gás boliviano para o Brasil. No país vizinho, a empresa brasileira é responsável pelos dois principais campos de gás, já ocupados por militares, além de possuir duas refinarias. A Petrobras responde, hoje, por 15% de todo o PIB (Produto Interno Bruto) da Bolívia.

SIGA-NOS NO Google News