Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quinta, 16 de Setembro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Pequeno produtor de leite estaria sendo prejudicado

Agência Câmara - 05 de setembro de 2003 - 08:38

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) monitora a qualidade do leite de 400 mil produtores em todo o País, por intermédio de sete unidades operacionais. A informação é do chefe do Serviço de Inspeção e Normas de Leite, que participou ontem de audiência pública da Comissão de Agricultura e Política Rural sobre a regulamentação da produção e da comercialização do leite.
Segundo o especialista, 93% da produção brasileira é de leite tipo C. Para aumentar a produtividade e melhorar a qualidade do leite, o Ministério está montando um banco de dados para alimentar uma rede brasileira sobre o produto.
O presidente da Cooperativa Riograndense de Laticínios e Correlatos (Corlac), Gervásio Plucinski, criticou a determinação do Governo de estabelecer o ano de 2005 como prazo para que os produtores de leite brasileiros atinjam a qualidade exigida pelo mercado internacional.
Ele acredita que, mantida a decisão, a tendência é a expulsão de pequenos produtores do mercado, por não atingirem a meta. Eles respondem hoje por 30% da produção nacional. "O Governo estabeleceu a meta, mas não tem o diagnóstico do problema nem sabe as medidas a serem adotadas. É como um médico que estabelece um prazo para o doente se curar, sem indicar os medicamentos a serem aplicados", criticou Gervásio.
O secretário de Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Valter Bianchini, informou que mais de um milhão de famílias dependem direta ou indiretamente da produção leiteira, no âmbito da agricultura familiar.
A principal preocupação do Ministério, disse Bianchini, é alcançar um equilíbrio sistêmico entre a produção de grãos e a criação de animais. Ele assinala que o subsídio dos países desenvolvidos à produção leiteira prejudica principalmente o pequeno produtor brasileiro.

BAIXA PRODUTIVIDADE
O chefe do Departamento de Gado de Leite da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Duarte Vilela, reconheceu que a produção familiar de leite apresenta baixa produtividade. De acordo com ele, há tecnologia, mas ocorrem problemas na sua transferência ao pequeno produtor.
Vilela disse que a Embrapa trabalha na recuperação de pastagens degradadas e de solos com pouca produtividade. Para tanto, desenvolveu projetos importantes como a mistura de cana com uréia para alimentação bovina; o controle de doenças como verminoses, carrapatos e mastite; o controle da qualidade do leite; e a fertilização in vitro. O pesquisador destacou também a construção de tanques comunitários para produtores de leite de até 100 litros por dia.

FALTAM POLÍTICAS PÚBLICAS
A representante da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) do Ministério da Agricultura, Maria Helena Fagundes, defendeu a harmonização das políticas públicas. "É contraditório o Governo gastar bilhões de dólares em assentamentos para reforma agrária e, ao mesmo tempo, não garantir a sobrevivência do pequeno produtor rural, que acaba sendo expulso de suas terras e de sua atividade econômica", observou. Para ela, falta uma política de preço mínimo, além de acesso a crédito e tecnologia.
O engenheiro agrônomo e técnico do Departamento de Estudos Socioeconômicos e Rurais (ONG que atua na área agropecuária), Alvori dos Santos, também destacou a necessidade de uma política pública específica para a inclusão de novas tecnologias no processo produtivo de leite na agricultura familiar. O engenheiro recomendou a formação de cooperativas; uma melhor orientação ao pequeno produtor para facilitar a comercialização; e a garantia de capital de giro para os pequenos produtores. Segundo ele, o Brasil tem potencial para elevar a produção leiteira em 61%. Hoje, o Brasil importa 37% do seu consumo de lácteos, aí incluído o leite em pó "in natura".
O presidente da Comissão, deputado Waldemir Moka (PMDB-MS), disse que todos os segmentos ligados ao setor leiteiro serão ouvidos para a formulação de uma proposta de políticas públicas que garanta a atividade dos pequenos produtores, notadamente da agricultura familiar.

Reportagem - Joaquim Nogales
Edição - Luiz Claudio Pinheiro

SIGA-NOS NO Google News