Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quarta, 8 de Dezembro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Leia a Coluna Ampla Visão, por Manoel Afonso

20 de abril de 2006 - 15:31

ENCRUZILHADA. Candidatos atentos à coligação. Os riscos são enormes para quem escolher mal, principalmente na proporcional. Mesmo aqueles com bom desempenho, poderão morrer na praia.

DAGOBERTO. Confidenciou-me: precisa melhorar na região Sudoeste, embora esteja muitíssimo bem nas pesquisas gerais. Acha que a força da TV será importante e que o fator tempo pesará na balança.

BERNAL. O vereador locutor confiante nos votos em cidades onde seu programa chega. Além da FM Cidade na capital, atinge Três Lagoas através da FM Três Lagoas e a região de Dourados, com a FM Cidade. Tem chances.

DECISIVO. Candidato sem tempo na TV pode dançar! Opinião de Carmelino Rezende, lembrando a força das emissoras locais que chegam ao interior. Experiente, Carmelo diz que assistirá o pleito de camarote.

PÉROLA-1: “Ordem de vocação hereditária é quando o filho segue a mesma profissão do pai, ou seja, filho de peixe, peixinho é.” (De um candidato no exame da OAB) E ainda tem gente contra esse exame.

PÉROLA-2: Descrição da penhora feita por um sábio Oficial de Justiça numa ação de execução na comarca de Porto Alegre: “...um crucifixo, em madeira, estilo colonial, marca INRI – sem número de série.”

SOCORRO! É notória a falta de conhecimento teórico e de pratica de profissionais recém formados em várias áreas, nesta época em que faculdade virou indústria de diplomas. Na saúde então, é coisa de louco.

DEMAGÓGICO ou populista? Ambos! Assim classifico a proposta de se aumentar o número de vereadores que, aliás, virou profissão por aí. Quem defende a “brilhante” tese, está em busca de votos, é claro!

ANDRÉ. Atração na festa da “Impar”, no Estoril Ao lado de Mariza, Marun, Nelsinho Silveira e Athayde distribuiu abraços e sorrisos. Parada especial na mesa de Londres para uma conversa ao pé-de-ouvido.

É AGORA! Não dá para esperar! Sem obras adequadas, a capital sofrerá com as chuvas. Ainda bem que a Prefeitura tem condições de tomar R$20 milhões da CEF para o projeto. A população preocupada, agradece!

DO LEITOR. ...é inegável: precisamos melhorar nossa representação na Câmara Federal, sob pena de continuarmos a pão e água. O episódio do Ipematizinho é uma amostra do nosso desprestígio. Quem se habilita?


À PROPOSÍTO. A Câmara Federal com seu estigma de cemitério dos políticos ainda afasta muita gente de valor. Pesa também o próprio sistema do seu regimento interno, onde só as lideranças partidárias tem vez.

NA ASSEMBLÉIA. Filósofos de plantão lamentando a falta de terceiro candidato de peso para levar as eleições para o 2º turno. Admite: Delcídio crescerá, mas não o bastante para evitar a vitória de André no 1º turno.

FABIO TRAD:... na família o melhor político é minha mãe, porque para agüentar três caras falando de política todos os dias e ao mesmo tempo, tem que ter preparo físico, ideológico, emocional e psicológico...(Revista Impar)

IMPEACHMENT. Quando estourou o escândalo do Mensalão seria viável, mas agora passou da hora. E mais, a oposição tem se mostrado incompetente. Repito: sem um fato novo grave, Lula será reeleito.

APOSENTADORIA. A votação será após as eleições. A opinião dominante é que Zeca sairá desgastado com reflexos no palanque petista. E mais: se aprovada na Casa, não resistiria ao crivo da Justiça.

ONEVAN. Cada vez mais maduro confessou-me: gostaria de disputar o Senado em 2.010 e para isso tem um longo caminho a percorrer, além de contar com ajuda de uma série de fatores. Mas não é sangria desatada.

RAUF MARQUES. Conversamos bastante na festa da “Impar”. Muito tranqüilo quanto ao seu futuro, falou de seu passado e dos cargos que ocupou. Vivo, faz política deixando sempre as portas abertas.

DELCÍDIO. “ André não é Pedrossian”, dizem no saguão da Assembléia, em referência ao desempenho do senador quando bateu o ex-governador, então favorito nas pesquisas. O italiano gasta a sola do sapato.

EM CASA. Possari deve limitar a ajudar Sergio Assis. Nada a reclamar da política: foi vice prefeito e ainda saiu no lucro com uma empresa da sua família participando do transporte coletivo da capital. Sacou?

CHATICES. Alguns deputados deixam a desejar no horário gratuito na TV. Não só pelo desempenho pessoal, mas, sobretudo pelo conteúdo incoerente comparado a postura. Falam uma coisa e fazem outra!

DO LONDRES: “Mudar o jeito de pensar a qualquer custo é um erro para quem deseja alcançar a vitória. Talvez, você até possa alcançar a vitória mudando seu perfil com ajuda do marketing pessoal, mas não conseguirá se manter no poder por muito tempo.(Revista Impar)











SIGA-NOS NO Google News