Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Segunda, 27 de Setembro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Governo recebe comunicação da FETEMS e responde

Campo Grande News - 09 de maio de 2003 - 15:57

O governo recebeu o ofício da Fetems (Federação dos Professores), comunicando o início da greve para segunda-feira, já com a resposta em mãos. O secretário de Gestão Pública, Ronaldo Franco, disse que o Estado não vai “assistir passivamente a decisão equivocada de paralisação”. Na resposta a Fetems, que o Campo Grande News publica na integra abaixo, o governo diz que “tomará todas as medidas para não prolongar o sacrificio que a direção sindical tenta impor a sociedade”.
À Direção da FETEMS

Considerando o ofício nº 294/03 da FETEMS, de 09 de maio de 2003, o Governo do Estado tem o seguinte entendimento:

1- A direção da FETEMS, ao indicar a paralisação, está abandonando o
processo de negociação até aqui constituído.
2- A direção da FETEMS, ao indicar a paralisação em função do reajuste
emergencial, despreza as possibilidades futuras.
3- A direção da FETEMS, ao indicar a paralisação, faz opção pela força e
desgaste político do governo.
4- O Governo em momento algum quis medir força com a FETEMS.
5- O Governo mesmo não querendo medir força não vai assistir
passivamente a decisão equivocada de paralisação.
6- O Governo considerando que entre ele e a FETEMS existem alunos e
pais, tomará todas as medidas para não prolongar o sacrifício que a
direção sindical tenta impor a sociedade.
7- O Governo consciente do quadro manterá a proposta aos professores
somente até terça-feira, a mesma foi objeto do diálogo, pois com opção de
força e truculência adotada pela FETEMS é injustificável a manutenção do
índice de reajuste.
8- O Governo, no dia 09/05/2003 às 16:00 horas, inicia com o SINFAE?
Sindicato dos Administrativos da Educação o debate acerca da
reestruturação de carreira e da Política salarial dos administrativos e
somente com ele irá até o final.
9- O Governo aguarda que até terça-feira haja compreensão que a melhor
opção é o diálogo e não a politização do movimento.

SIGA-NOS NO Google News