Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quinta, 2 de Dezembro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Em MS, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade

A notícia é do Governo de MS

Cassilândia Notícias - 17 de outubro de 2021 - 06:30

Em MS, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade

O Dia Mundial da Alimentação é celebrado no dia 16 de outubro e faz uma reflexão sobre a necessidade de uma alimentação saudável, de qualidade e acessível. A população brasileira tem deixado de consumir mais alimentos in natura, para consumir alimentos processados e ultraprocessados e isto tem levado para o aumento da obesidade. No Estado, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade.

Para o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, o elevado aumento da obesidade tem causado um dos maiores problemas de saúde pública no Sistema Único de Saúde. “A elevada prevalência de obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) e também está associada à perda de qualidade de vida em razão da má alimentação. Em contrapartida a desnutrição, decorrente da falta de acesso ao alimento e da má alimentação, também tem causado preocupação”. Estima-se que no país, as mortes prematuras por DCNT corresponda a 74% dos óbitos registrados no país.

Segundo estudo do Ministério da Saúde, dos indivíduos atendidos na Atenção Primária a Saúde (APS) no Brasil, 63% apresentaram excesso de peso e 28,5% apresentaram obesidade, em 2019. Isso significa que, cerca de 8 milhões desses adultos apresentaram excesso de peso e 3,6 milhões apresentaram obesidade. Em Mato Grosso do Sul este cenário não é diferente, 69,3% da população está com excesso de peso, sendo que 36,6% já estão com obesidade. Ou seja, de cada 10 pessoas sete está com excesso de peso e três estão com algum grau de obesidade no Estado.

Para o nutricionista Anderson Holsbach, da Gerência Estadual de Alimentação e Nutrição (GEAN), da Secretaria de Estado de Saúde (SES), a má alimentação impacta diretamente nos problemas relacionados a saúde. “A má alimentação tem maior impacto negativo na saúde das pessoas, quando comparado ao fumo, álcool, poluição e drogas. Por isso nessa data é importante ressaltar programas e políticas que propiciam acesso a uma alimentação saudável, uma vez que as melhorias na alimentação da população poderiam prevenir 1 em cada 5 mortes no mundo”.

O Ministério da Saúde ainda aponta que o custo financeiro da obesidade com hospitalizações e gastos ambulatoriais, em 2011, foi estimado em R$ 488 milhões. Em 2018, esse mesmo custo aumentou 37%, totalizando R$ 669 milhões. Os custos atribuíveis à hipertensão arterial, diabetes e obesidade no Brasil totalizaram R$ 3,45 bilhões em 2018, considerando gastos do SUS com hospitalizações, procedimentos ambulatoriais e medicamentos

“Em 2020, das crianças acompanhadas na Atenção Primária à Saúde (APS) do SUS, em Mato Grosso do Sul, 15,9% dos menores de 5 anos e 31,8% das crianças entre 5 e 9 anos tinham excesso de peso, e dessas, 7,4% e 15,8%, respectivamente, apresentavam obesidade segundo Índice de Massa Corporal (IMC) para idade. Quanto aos adolescentes acompanhados na APS em 2020, 31,9% e 12,0% apresentavam excesso de peso e obesidade, respectivamente 7. Considerando todas as crianças brasileiras menores de 10 anos, estima-se que cerca de 6,4 milhões tenham excesso de peso e 3,1 milhões tenham obesidade. Entre os adolescentes brasileiros, estima-se que cerca de 11 milhões tenham excesso de peso e 4,1 milhões, obesidade”, explica Anderson Holsbach.

Durante o período pandêmico, o governo federal enviou para os 79 municípios de Mato Grosso do Sul, R$ 14 milhões para serem aplicados nos programas de enfrentamento a obesidade. Atualmente, o Estado conta com os seguintes programas: Crescer Saudável, Proteja, Programa Saúde na Escola (PSE) e Academias da Saúde.

Confira as dicas do nutricionista Anderson Holsbach para ter uma alimentação mais saudável:

  • Faça uso de alimentos in natura (arroz, feijão, carne, legumes, verduras e frutas) ou minimamente processados;
  • Utilize óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos e criar preparações culinárias;
  • Limite o consumo de alimentos processados (alimentos em salmoura, frutas preservadas em açúcar, carnes salgadas ou defumadas, queijos e pães);
  • Evite o consumo de alimentos ultraprocessados (Bebidas açucaradas, como sucos de caixa e refrigerantes; Salgadinhos; Carnes processadas, como salsicha, bacon e hambúrgueres; Chocolate; Sopas instantâneas; Barras de cereal ou cereal matinal);
  • Comer com regularidade e atenção, em ambientes apropriados e, sempre que possível, com companhia;
  • Fazer compras em locais que ofertem variedades de alimentos in natura ou minimamente processados;
  • Desenvolver, exercitar e partilhar habilidades culinárias;
  • Planejar o uso do tempo para dar à alimentação o espaço que ela merece;
  • Dar preferência, quando fora de casa, a locais que servem refeições feitas na hora;

Rodson Lima, SES

Foto: Acervo/Ministério da Saúde

SIGA-NOS NO Google News