Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quinta, 26 de Maio de 2022
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Deputado quer isenção para filantrópicos

09 de setembro de 2003 - 15:02

O Deputado Raul Freixes (PTB), apresentou na sessão desta terça-feira Projeto de Lei que isentará as Santas Casas e hospitais filantrópicos do pagamento das contas de água e luz. Mato Grosso do Sul tem hoje, 45 hospitais filantrópicos e santas casas que penalizam alguns setores do hospital para conseguir pagas as contas. Freixes entende que se o Governo do Estado pagar a conta de água e luz, o dinheiro dos hospitais poderá ser usado para aquisição de medicamentos e equipamentos. Somente a Santa Casa de Campo Grande, gastar cerca de R$ 140 mil de energia e apesar de ter dois poços semi-artesianos, precisa desembolsar cerca de R$ 10 mil para pagar a conta de água. Raul Freixes lembrou que os hospitais filantrópicos do nosso Estado já usufruíram desse benefício antes da divisão territorial. A nova constituição estadual não trouxe o auxilio que foi mantido pelo Governo do Estado, mas por pouco tempo. Em alguns estados brasileiros, esse benefício é Lei e é considerada como uma das maiores vitórias para as entidades e para a população carente. A Santa Casa de Campo Grande que foi criada em 1.919, é uma referência na saúde em toda a região e até outros países como o Paraguai, Chile e Bolívia. O hospital dispõe de todas as especialidades médicas atendendo não só os casos de urgência, mas também relação de serviços prestados, tratamentos e acompanhamentos médicos, Neo Natal e etc., e atende por dia, cerca de 700 pessoas. Com recursos arrecadados do SUS, a Santa Casa cobre parte de suas despesas, o gasto mensal com medicamento e material de consumo é de cerca de R$ 1,7 milhão. As despesas mensais chegam a R$ 5,5 milhões sendo que R$ 4 milhões são provenientes do Sistema único de Saúde e o restante é coberto com convênios e atendimentos particulares. Conforme justificativa do Projeto, A Santa Casa tem hoje 2.250 funcionários, sendo 700 médicos e um total de 835 leitos, insuficientes para a demanda visto que constantemente existem cerca de 120 pacientes sendo atendidos e internados nos corredores da instituição. O hospital luta com dificuldades para ampliar em mais 135 leitos e pretende alcançar essa meta em aproximadamente 10 meses. “O auxílio financeiro por parte do Governo do Estado, trará uma economia para as contas do hospital que poderá investir em novos equipamentos, aquisição de medicamentos e mão de obra e com isso, atender um número maior de pessoas carentes de assistência médica e hospitalar” disse Freixes.

Assessoria de Imprensa - Marcos Augusto




SIGA-NOS NO Google News