Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quarta, 22 de Setembro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Critérios para plantio de transgênico serão definidos

Agência Brasil - 09 de agosto de 2003 - 09:46

Critérios para o cultivo da soja geneticamente modificada (trangênica) deverão ser estabelecidos o mais breve possível pelo Governo Federal. A informação foi dada ontem pelo ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, José Dirceu. Ele esteve reunido com representantes do setor agrícola gaúcho, acompanhados pelo governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto.
De acordo com Carlos Sperotto, vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e presidente da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul, o ministro indicou a possibilidade de que a solução para a regulação do uso de variedades geneticamente modificadas seja implantada por Medida Provisória. Aí seria estabelecida a possibilidade de adoção de critérios regionais para o cultivo, colheita e comercialização de soja transgênica.
No encontro, o ministro José Dirceu solicitou que o setor privado apresente propostas de criação para logística de colheita e comercialização da soja tradicional. A proposta será apresentada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo próprio ministro José Dirceu.
Sperotto informou ainda que o ministro ficou sensibilizado pelo fato de representantes de grandes, médios e pequenos produtores, além do governador do estado, terem participado da reunião. Todos demonstraram preocupação sobre como conduzir o cultivo da próxima safra, que começa a ser plantada nos próximos meses. Com a falta de definição sobre a possibilidade do plantio de soja transgênica, os agricultores estão com problemas para planejar o cultivo das lavouras, embora o prazo para isto esteja terminando.
Na última safra, o Rio Grande do Sul teve 3,5 milhões de hectares cultivados com soja. Sperotto contou que existe a expectativa de que , caso seja autorizado o cultivo dos transgênicos, o estado passará a ter 90% da produção com sementes geneticamente modificadas. (Adriano Gaieski)

SIGA-NOS NO Google News