Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Terça, 25 de Janeiro de 2022
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Crise internacional frustra sonho brasileiro no Japão

Bruno Bocchini , ABr - 07 de março de 2009 - 16:48

São Paulo - A crise econômica internacional está acabando com o sonho de milhares brasileiros que buscavam no Japão uma vida melhor. Os chamados decasséguis, brasileiros que se fixam temporariamente no Japão para trabalhar, geralmente nas indústrias, atraídos por bons salários, estão voltando em massa para o Brasil.

Não há números exatos sobre o número de brasileiros que voltaram nos últimos meses. No entanto, as agências brasileiras especializadas na recolocação profissional de decasséguis no país acusam um aumento de até 15 vezes no volume de retornados em fevereiro, em comparação com maio de 2008.

“Em comparação há meses, hoje a volta está 15 vezes maior. A situação vem se agravando desde 1999, com a crise asiática. No Japão, uma crise imobiliária já atingiu o país na década de 90”, lembrou o consultor Renato Botuen, da Redeplan Alianças Estratégicas, agência especializada em encontrar emprego no Brasil para os decasséguis que desistiram da vida no Japão.

Estima-se que hoje 320 mil brasileiros ainda trabalhem no Japão. Aproximadamente 180 mil retornaram nos últimos anos, mas os brasileiros lá residentes são a terceira maior comunidade estrangeira no país. No entanto, a mudança de novos brasileiros para o Japão diminuiu abruptamente nos últimos meses.

“Nos primeiros meses da crise, de setembro a dezembro, caiu consideravelmente o embarque de brasileiros para o Japão, mais da metade do movimento. E, de janeiro para cá, o movimento quase zerou. Em dezembro, foram dois passageiros. Em janeiro e fevereiro, não foi nenhum. Não temos perspectiva de mandar ninguém por enquanto”, afirma Fábio Makoto Date, diretor da agência Shikoto, sediada em São Paulo, que levava brasileiros para trabalhar em empresas japonesas.

Os decasséguis, normalmente paulistas (60% saem de São Paulo, grande parte é oriunda do Paraná e há pequenos contingentes de Mato Grosso e do Pará) enfrentavam vida difícil no Japão, apesar dos bons salários. Recompensados por horas extras, os brasileiros chegavam a trabalhar 12 horas por dia, com apenas uma folga semanal, em dia não definido.

Segundo Makoto, diminuiu muito o trabalho dos decasséguis, que, antes da crise, faziam muitas horas extras. “Quando se fala em ganhar dinheiro no Japão, a pessoa tem de abrir mão de muita coisa e trabalhar muito. Como caiu a produção no Japão, a primeira coisa que caiu foram as horas extras. Se não fizer hora extra, não guarda dinheiro. As pessoas que ainda estão empregadas, praticamente estão somente sobrevivendo no Japão”, relata Makoto.

Nelson Tanigushi, operador de máquinas de bordar, retornou ao Brasil no início de 2009, depois de trabalhar mais de dois anos no Japão. Ele recebia cerca de R$ 30 por hora, mas, com a piora da situação japonesa, foi um dos primeiros demitidos da empresa em que era empregado.

“Eu me senti um pouco frustrado, porque a gente se dedica e acontece uma crise dessa e nós somos os primeiros eliminados. Mas, me arrepender, eu digo que não: acho que valeu como experiência. Profissionalmente me arrependo, quando você volta ao país e tenta se integrar na vida profissional no país é muito difícil”, ressalta Tanigushi.

Os brasileiros e demais estrangeiros que trabalham no Japão têm situação trabalhista bastante vulnerável. Com poucos direitos, são os primeiros a serem cortados ao primeiro sinal de crise. “Não existe nenhum direito trabalhista resguardado para estrangeiros, devido ao fato de os brasileiros trabalharem para as empreiteiras [que contratam estrangeiros e terceirizam o trabalho nas empresas japonesas] dentro das fábricas, como na própria Toyota”, destaca Makoto.




Ele explica que o funcionário da empreiteira não é, por exemplo, funcionário da Toyota. “Não tem nenhum vínculo empregatício com a Toyota. Então, em vez de cortar um funcionário de dentro da empresa e ter de pagar todos os direitos trabalhistas dele, eles vão optar por cortar os brasileiros e os outros estrangeiros.”

Os governos brasileiro e japonês estão buscando alternativas para os decasséguis que estão passando dificuldades no Japão. “Como os japoneses, os brasileiros no Japão têm dificuldades: Alguns perderam seus empregos, alguns perderam sua moradia. Então, estamos tentando apoiar os brasileiros na busca do novo emprego e também da nova moradia, na educação de seus filhos”, afirma o ministro Tatsuo Arai, da Embaixada do Japão no Brasil.

SIGA-NOS NO Google News