Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quinta, 28 de Outubro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Conab estima que safra cresça 26,5%

Lívia Albernaz/Agência Brasil - 17 de setembro de 2003 - 16:29

Lívia Albernaz
Repórter da Agência Brasil

Brasília - A sexta estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada, hoje, é de que a produção de grãos na safra 2002/2003 (cereias, leguminosas e oleaginosas) seja de 122,3 milhões de toneladas, 26,5% superior à produção colhida na safra 2001/2002, que foi de 96,76 milhões de toneladas.

Com relação à última pesquisa divulgada em junho, a produção teve um aumento de 2,2 milhões de toneladas, representando um acréscimo de 1,8%. Isso foi resultado de uma safra maior de milho e trigo.

De acordo com presidente da Conab, Luís Guedes Pinto, a safra recorde 2002/2003 é resultado dos investimento dos agricultores, da profissionalização do setor por meio de novas tecnologias agrícolas, condições climáticas, e do câmbio que foram favoráveis no ano passado.

A estimativa para a safra foi feita a partir de levantamento realizado por 31 técnicos da Conab, entre os dias 25 e 30 de agosto, em 486 municípios brasileiros. Os técnicos ouviram 850 produtores e aplicaram 933 questionários nesses municípios.

Os destaques da safra 2002/2003 são as culturas de soja, milho, trigo e feijão. A produção de milho obteve novo recorde estimada em 47,4 milhões de toneladas, o que representa um crescimento superior de 34% em relação a última safra, decorrência de uma ótima safrinha estimada em 12,6 milhões de toneladas.

O clima favorável até o momento foi o grande responsável pela safra recorde de trigo, que este ano foi 76% superior à da safra passada 2001/2002. A estimativa da produção é de 5,1 milhões de toneladas, que segundo o levantamento representa uma elevação de 12,7% na quantidade a ser produzida. De acordo com Luís Guedes, o país vai produzir metade do trigo que consome.

O sexto levantamento da Conab apresenta também a excelente safra de soja, que chega a uma produção de 52 milhões de toneladas. Esse valor representa um acréscimo de 24,2% com relação a última safra. Outro destaque foi o feijão. As três safras do grão somadas vão chegar a 3,26 milhões de toneladas, representando uma variação de 9,3% em relação a colheita da última safra, que foi de 2,98 milhões.

A má noticia do levantamento é que a produção de arroz deve ser 1,9% menor - 10,42 milhões de toneladas - do que na safra passada. A cultura sofreu com o excesso de chuvas no Rio Grande do Sul, que prejudicou o plantio. A área plantada, segundo a estimativa, será 0,9% menor também. Desse modo, conforme Guedes, o Brasil vai importar cerca de um milhão de toneladas para atender a demanda nacional.


SIGA-NOS NO Google News