Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Sexta, 22 de Outubro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Comunicado da FETEMS

13 de maio de 2003 - 10:10

A Fetems divulgou o seguinte comunicado sobre a greve:
"A Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul)
realizou junto aos sindicatos municipais - e em muitos casos diretamente nas
unidades escolares -, uma pesquisa para levantar as reais condições do
primeiro dia da greve dos educadores no Estado. A constatação foi de que
houve uma paralisação total em 53,03% (175) das unidades escolares e 14,84%
(49) das escolas paralisaram suas atividades parcialmente. Continuaram
trabalhando, segundo o levantamento, 32,12% (106) das escolas da Rede
Estadual de Ensino. A entidade pesquisou num universo de 330 escolas das 366
existentes em Mato Grosso do Sul (tabelas anexadas a este e-mail).
Conforme avaliação da Fetems, os dados mostram que o governo está
manipulando os números e tentando imprimir à greve condições que ela não
apresenta realmente. Grande parte das cidades apontadas pelo governo como
fora da greve são pequenos municípios que não representam um contingente
numérico importante de trabalhadores. Ao contrário das cidades de médio e
grande porte que estão "puxando" o movimento, como Três Lagoas (91% de
paralisação total e 8% parcial), Aquidauana (86% de paralisação total e 6%
parcial), Coxim (100% das escolas paradas), Naviraí (66% totalmente paradas
e 16% com paralisação parcial), Dourados (64% das escolas totalmente paradas
e 16% parcialmente paralisadas), Nova Andradina (50% paradas totalmente e
50% com paralisação parcial) e Campo Grande (43% das escolas com paralisação
total e 29% em greve parcial).
A tendência é aumentar ainda mais o percentual de escolas totalmente paradas
com a adesão de Ponta Porã, fato que pode ser seguido pelas demais cidades
da fronteira com o Paraguai que ainda não aderiram à paralisação. O efeito
cascata da paralisação deve aumentar com o decorrer da semana, conforme
avaliação da Fetems, angariando apoio e solidariedade também de outros
sindicatos e categorias."

SIGA-NOS NO Google News