Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Segunda, 2 de Agosto de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Baixo poder aquisitivo beneficia venda de frango

Fabiane Sato - 23 de junho de 2003 - 14:51

A redução do poder de compra do brasileiro já mexe com o consumo interno. O frango, que chega a ser até 80% mais barato que a carne bovina, pode ter um aumento no consumo. Conforme a assessora de economia da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Adriana Mascarenhas, apesar do aumento do preço do quilo do frango (28%) ser maior que o da carne bovina (22%), de maio de 2002 a maio de 2003, ainda é, em média 72%, mais barato.
Comparando o preço da peça mais nobre de cada animal, o percentual sobe de 72% para 80%. "O quilo do file mignon custa R$ 13,32, enquanto o do peito de frango, R$ 7,53, um valor que faz diferença no prato do campograndense", conclui a economista.
A assessora acrescenta que a produção de frango deve aumentar devido ao clima favorável e a tendência de baixa de preço no milho. "O valor pago pelo frango ao produtor não pode cair, geralmente ele já trabalha com o limite do custo de produção", comentou Adriana Mascarenhas.
Produção no Brasil
Pelas projeções da APINCO, em maio último foram produzidas no Brasil 659.959 toneladas de carne de frango, volume 4,83% e 5,70% superior ao produzido, respectivamente, em maio de 2002 e em abril de 2003. Essa é também, até aqui, a maior produção de 2003 e a segunda maior produção da história do setor, só superada pelas 677,7 mil toneladas de dezembro de 2002.
Uma vez que a carne de frango produzida no decorrer do mês de maio teve por origem pintos produzidos entre a segunda quinzena de março e a primeira quinzena de abril, aproximadamente, e levando em conta, ainda, que a produção de pintos do bimestre março/abril (considerado o volume médio diário) foi a menor dos últimos seis bimestres, era esperada, para maio último, queda proporcional na produção de carne de frango ou, pelo menos, volume inferior ao dos dois meses anteriores, o que não ocorreu. Com informações da Avisite

SIGA-NOS NO Google News