Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Quarta, 1 de Dezembro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Aldo faz advertência verbal para Guadagnin no Plenário

Iolando Lourenço/ABr - 27 de abril de 2006 - 07:43

O presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), fez a leitura de censura verbal (advertência) à deputada Angela Guadagnin (PT-SP), no Plenário da Câmara. O motivo foi por ela ter dançado no Plenário, na sessão que absolveu o deputado João Magno (PT-MG) da cassação.

Na censura, Aldo afirmou que a deputada havia infringido o art. 5, inciso 2 do Código de Ética e Decoro Parlamentar "por haver comemorado, no Plenário da Câmara, em ritmo de dança, o resultado da votação pela rejeição do parecer do Conselho de Ética , que declarou a perda do mandato do seu colega de partido, deputado João Magno (MG), o que configurou ofensa ao Decoro Parlamentar". A deputada não foi vista no Plenário na hora da leitura. O regimento interno da Câmara não obriga a presença do parlamentar nesse ato.

A punição à deputada foi proposta pelo PPS, em representação apresentada ao Conselho de Ética, alegando que a dança da parlamentar em Plenário repercutiu negativamente na sociedade e prejudicou a imagem da Câmara. A representação do PPS foi encaminhada pelo Conselho de Ética à presidência da Câmara, que pediu ao corregedor-geral da Casa, deputado Ciro Nogueira (PP-PI), para analisar a matéria. O corregedor propôs censura verbal à deputada Guadagnin. A proposta do corregedor foi aprovada hoje por unanimidade dos membros da Mesa Diretora da Câmara.

Logo após a repercussão do fato, a deputada foi à tribuna da Câmara pedir desculpas aos parlamentares e à sociedade. Na ocasião, Guadagnin disse que não teve intenção de ferir ninguém e que seu gesto foi uma forma de expressar seu sentimento. Ela afirmou que sua atitude é amparada pela Constituição, que assegura a todo cidadão o direito de livre expressão de opinião e pensamento. A parlamentar também afirmou que sua atitude não devia ser interpretada como quebra decoro parlamentar.

SIGA-NOS NO Google News