Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

07/11/2011 20:21

Wilson Santiago deixa o Senado lamentando decisão da Justiça sobre a validade da Lei da Ficha Limpa

Mariana Jungmann, Agência Brasil

Brasília - Diante da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a Lei da Ficha Limpa não valer para as últimas eleições, o senador Wilson Santiago (PMDB-PB) fez hoje (7) o seu discurso de despedida do Senado. Ele será substituído por Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que tomará posse amanhã (8) na parte da tarde. Cunha Lima foi eleito com maioria de votos na Paraíba, mas, por ser ficha suja, foi barrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Santiago disse, em seu discurso, que o STF teve um comportamento contraditório ao derrubar a validade da lei para as últimas eleições, quando já havia decidido, diante do empate no primeiro julgamento, que valeria a interpretação do TSE. Inconformado, o senador do PMDB lembrou que não houve acusações contra ele e sim contra o candidato eleito que irá assumir o cargo.

“É um caso, digo até, inusitado. Você é afastado de um mandato que não tem nenhum processo contra. Você é afastado de um mandato em que houve um ato jurídico perfeito. E é prolatado [proferido] o resultado de uma eleição, a convocação para uma diplomação e, posteriormente, uma posse. E nesta posse não teve questionamento nenhum, nem impugnação, nada, questionamento jurídico nenhum. E, um ano e seis meses depois, a própria Justiça diz que tem que retroagir e rever o caso lá de julho, de 5 de julho do ano passado”, declarou.

O ex-governador da Paraíba Cássio Cunha Lima foi impedido de tomar posse sob acusação de abuso de poder econômico e conduta vedada a agente público. Em breve, o Senado terá que dar posse a outro senador barrado pela Leia da Ficha Limpa. João Capiberibe (PSB-AP) deverá assumir a vaga que atualmente está sendo ocupada por Geovani Borges (PMDB-AP).

Na quarta-feira (9), o STF deverá julgar mais uma vez a Lei da Ficha Limpa. O primeiro julgamento considerou que a lei não vale para as últimas eleições em função do princípio da anualidade, ou seja, ela tinha que ter sido aprovada um ano antes das eleições. Agora, os ministros da Suprema Corte irão decidir se a lei é constitucional e se valerá para as próximas eleições.



Edição: Aécio Amado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)