Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

10/02/2007 08:39

Vírus da aftosa volta a assombrar Sul do Estado

rmtonline

A confirmação da circulação do vírus da aftosa nos municípios Eldorado, Mundo Novo e Japorã, anteontem, pode levar o governo do Estado a adotar medidas extremas para barrar o avanço da doença. Ontem falou-se em sacrifício de todo o rebanho da região e na criação da “zona tampão”, na fronteira com o Paraguai, com forma de garantir a retomada do status de área livre da aftosa.

Ontem pela manhã, a secretária estadual de Produção, Tereza Cristina Corrêa da Costa, admitiu, em entrevista no Bom Dia MS, da TV Morena, a possibilidade de sacrificar todo o rebanho dos municípios em que ainda ocorre circulação viral da aftosa.

A presença do vírus da aftosa fez com que o Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária) mantivesse a interdição nos municípios de Eldorado, Mundo Novo e Japorã, iniciada em outubro de 2005. Naquele ano foram sacrificadas 35 mil cabeças de gado, com os pecuaristas sendo indenizados. Com a constatação, é quase certo que o Estado continuará sem o status de área livre da aftosa, cuja decisão da OIE (Organização Internacional de Epizootias) deve ser anunciada hoje pelo governo do Estado. Ao ser indagada pelo apresentador Omar Bastos se não seria mais prático sacrificar o gado ainda existente nos municípios da região, a secretária respondeu: “Isso não tenha dúvida. O pessoal do Ministério está chegando aqui e estamos dentro das medidas internacionais, seguindo os procedimentos técnicos. Se precisar matar, vamos matar”, disse.

Tereza Cristina disse, porém, que a atividade viral significa apenas a circulação do vírus e não a presença da aftosa. “Pode ser da vacina. Não quer dizer que é da doença. Não temos foco da aftosa. Tem sorologia que deu mais elevada e que é natural naquela região. As pessoas que ficaram com medo e vacinaram”, afirmou ela.
Entretanto, ainda ontem, o diretor-presidente da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), Roberto Bacha, afirmou que, apesar de sorologia ter confirmado que o vírus da febre aftosa permanece nas propriedades rurais, não há previsão, pelo menos a princípio, de sacrifício de animais.

Ele explica que não há o que fundamente uma medida como esta. “Embora tenha dado animais reagentes não sabemos se é reação da vacina”, afirma. Além disso, ele acrescentou que o percentual de amostras que apresentaram reatividade é muito menor que o encontrado em vezes anteriores.


ZONA-TAMPÃO

O governo do Estado também não descarta a criação de uma “zona-tampão” nos três municípios atingidos diretamente pela doença. A possível implementação da “zona-tampão” serão discutidas entre o secretário de Defesa Agropecuária do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Gabriel Alves Maciel, e o governador do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB). O encontro acontece a partir das 8h30, na Famasul.
A reunião terá como objetivo definir como o governo do Estado vai proceder para retomar o status de zona livre de febre aftosa com vacinação. O certificado de zona livre é concedido pela OIE (Organização Internacional de Epizootias), que teria feito a sugestão de implantação de uma área de controle na região de fronteira, que tem sido suscetível ao trânsito do vírus transmissor da doença.

Caso aceite a sugestão da OIE, o Estado fica mais perto de exportar para a comunidade internacional, possibilidade suspensa desde outubro de 2005, quando foi identificado um foco da doença em Eldorado. O município, juntamente com Japorã e Mundo Novo continuou a apresentar atividade viral e permanece interditado pelo Mapa.


Fonte: Redação TV Morena

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)