Cassilândia, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

Últimas Notícias

04/09/2010 15:10

Violência contra homossexuais será mapeada em Mato Grosso

Rádio Nacional da Amazônia

Brasília - A dificuldade de atender os homossexuais e de mapear a violência que sofre esse grupo fez com que o Centro de Referência de Combate à Homofobia LGBT (gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais), vinculado à Secretaria de Segurança Pública de Mato Grosso, desenvolvesse um projeto que pretende treinar profissionais de segurança, criar um portal para atendimento às comunidades e melhorar o banco de dados com informações sobre a violência homofóbica.

Por meio dessas ações, a coordenadora do centro, Cláudia Cristina Carvalho, acredita que também será possível definir políticas públicas para o grupo LGBT. Ela afirma, no entanto, que é preciso a participação da comunidade para que o projeto funcione.

“É fundamental que a população, a comunidade LGBT, elas passem a utilizar cada vez mais o serviço de segurança pública e a Justiça porque é uma forma de a gente mapear esse tipo de violência, do qual essas pessoas são vítimas”, disse.

O Centro de Referência de Combate à Homofobia funciona desde 2008. Mas por causa do preconceito que os homossexuais enfrentam na sociedade, às vezes dos próprios agentes do Estado, segundo a instituição, fica difícil identificar as vítimas de crimes homofóbicos.

De acordo com a coordenadora, a secretaria utiliza casos que saem na mídia para fazer o levantamento de crimes sofridos pelo grupo LGBT. Ela informou que em 2009, por exemplo, os jornais divulgaram apenas nove assassinatos de homossexuais em Mato Grosso.

Cláudia Carvalho explicou que a capacitação dos agentes de segurança pública do estado será feita para que possam atender os homossexuais sem preconceito.
“A gente está pensando em demarcar uma carga mínima de 20 horas/aula\".

O Centro de Referência de Combate à Homofobia também pretende fazer parceria com o movimento LGBT de Mato Grosso e o movimento nacional para treinar os agentes. Além disso, quer criar cartilhas com o objetivo de tirar dúvidas dos profissionais e desenvolver uma campanha de conscientização em bares e boates do gênero, para que essa comunidade se sinta confortável ao procurar a segurança pública.

Edição: Graça Adjuto

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 19 de Janeiro de 2017
Quarta, 18 de Janeiro de 2017
21:49
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Terça, 17 de Janeiro de 2017
23:53
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)