Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

06/05/2015 05:28

Vereadores e deputados criticam mandato tampão na reforma política

Agência Câmara de Notícias

Vereadores e deputados da Comissão Especial da Reforma Política foram unânimes em criticar o mandato tampão para prefeitos e vereadores a serem eleitos em 2016, como forma de estabelecer a coincidência eleitoral ainda em 2 018.

Eles participaram da Terceira Mobilização Nacional de Vereadores, que prossegue até quinta-feira (7) no auditório Nereu Ramos, da Câmara dos Deputados. Os parlamentares estão discutindo os principais pontos em negociação e que devem ser votados na comissão ainda neste mês.

O deputado Domingos Sávio (PSDB MG), assinalou que “a gente não está só para votar, mas para não deixar que votem descalabros. É inaceitável que nossos vereadores sejam surpreendidos com algo novo em eleições que eles vão disputar. Seria um desastre inaceitável”.

Na opinião do parlamentar, a coincidência do calendário nos três níveis – municipal, estadual e federal – só será possível com um mandato de seis anos para os próximos vereadores e prefeitos com os calendários eleitorais coincidindo em 2 022.

Integrante da comissão, o deputado Rubens Otoni (PT-GO) afirmou que não existe amparo legal para a prorrogação dos atuais mandatos, como querem alguns, e ganha força na comissão a coincidência de mandatos, mas a partir de 2 022. “Se esta tese vencer – opinou – acho que há grande possibilidade de cair a reeleição estabelecendo-se o mandato de cinco anos, até para senador”.

Para o deputado Afonso Hamm (PP-RS), o ponto determinante da reforma será a coincidência de mandato com cinco anos sem reeleição. Na opinião do deputado, com um calendário de eleições a cada cinco anos, será possível melhorar o planejamento das administrações nos três níveis, direcionar melhor o financiamento público de campanha, e criar um fundo específico para isto.

Impacto nas próximas eleições
Otoni considera, no entanto, que outros pontos devem influenciar as próximas eleições, aos quais os vereadores devem ficar atentos. “Temos mais de 300 projetos tramitando na Câmara que podem impactar o próximo pleito. Temos a possibilidade do fim das coligações proporcionais; pode ser reduzido o prazo de filiação de um ano para seis meses; abre-se um bom espaço para se negociar algum meio termo entre voto proporcional e majoritário; e quanto ao financiamento de campanha existe o consenso de que devemos diminuir a influência do poder econômico, mas ainda não existe uma definição de como faremos”.

Financiamento de campanha
O representante da Comissão para Reforma Política da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Marcelo Lavenère, pregou “um não total” ao dinheiro de empresas na campanha eleitoral.

O deputado Júlio Lopes (PP-RJ) ao seu lado discordou: “Acho que o financiamento privado tem que continuar. Financiamento de campanha não tem nada a ver com a roubalheira que vemos todos os dias nos jornais. Não acho que se deva tirar dinheiro que vai para os hospitais e escolas e colocar em campanha política”.

Ele deu um tom menos entusiasmado diante das possíveis mudanças que virão com a reforma: “Ela não será a panaceia que pretendem. A corrupção vai continuar acontecendo, o poder econômico vai continuar influindo. Nós temos que trabalhar evolutivamente. Temos melhorado nos últimos anos e vamos continuar melhorando. Precisamos modificar o atual sistema porque ele deu sinal de fadiga. É só isso”.

Reportagem - Roberto Stefanelli
Edição – Regina Céli Assumpção

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)