Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

09/06/2006 08:06

Veja o que o site do TSE fala sobre as mudanças

A notícia é do site do TSE sobre a decisão ao pedido de reconsideração do PL:

O Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acolheu, por unanimidade, o pedido de reconsideração do Partido Liberal (PL) na Consulta 1225, para confirmar o entendimento de que os partidos com candidato à Presidência da República que estejam coligados nacionalmente, têm liberdade de se coligar nas bases com outros partidos sem candidato à sucessão presidencial. O relator do voto, ministro Marco Aurélio (D), presidente do TSE, ressaltou que na decisão de hoje, o Tribunal optou por adotar a "verticalização flexibilizada" para as eleições de 2006.


"Respondo acolhendo o pedido de reconsideração do Partido Liberal e creio que, ao assim votar, revelo mais uma vez que enquanto a Justiça for obra do homem, ela será passível de falha", justificou o ministro Marco Aurélio, concluindo o seu voto.


A decisão desta quinta-feira revê entendimento do TSE firmado na última terça-feira (6), em que, por seis votos a um, os ministros responderam negativamente à Consulta do PL. Segundo posicionamento anterior da Corte, nenhum partido poderia fazer, no plano estadual, coligação diferente da que fora feita no plano nacional. A regra seria válida mesmo que o partido em questão não tivesse lançado candidato à Presidência da República.


No fundamento de seu voto, o ministro Marco Aurélio sustentou que, ao analisar o pedido de reconsideração, recorreu às notas taquigráficas dos votos proferidos no Supremo Tribunal Federal (STF), durante o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a Emenda Constitucional 52, que derrubou a regra da verticalização. Naquele julgamento, o Supremo manteve a verticalização para as eleições deste ano.


"Procedi ao exame dos votos, consideradas as notas taquigráficas, e não o acórdão - que ainda não está redigido - dos votos prolatados pelos integrantes do Supremo quando enfrentou a ADI ajuizada contra a Emenda Constitucional 52. Emenda que previu a liberdade de coligação e que potencializou, a mais não poder, a autonomia partidária prevista na própria Carta da República, tendo o Supremo glosado essa Emenda Constitucional quanto à aplicação ao ano em curso, nas eleições de 2006, o que vale dizer que nós teremos liberdade maior nas eleições de 2008, 2010, e assim por diante", sustentou.


De acordo com o ministro, "a premissa do voto primeiro, que formou da corrente majoritária e seria o pronunciamento do Supremo prevendo uma verticalização de ponta a ponta" - ou seja, sem a flexibilidade apresentada na resposta à Consulta 766 do TSE - não se sustentou.


"Não posso agora, a esta altura, substituir-me ao próprio Congresso Nacional, insistir na ótica sobre a verticalização pura, linear, obstaculizando a possibilidade de partidos coligarem-se quando o partido haja apresentado candidato à presidência da República e os envolvidos na coligação da base, não serem partidos que formem a mesma coligação", disse.


Ao final, o ministro Marco Aurélio propôs aos integrantes da Corte a reconsideração do que fora decidido na última terça-feira para responder-se de forma afirmativa à Consulta, confirmando o que proclamou o TSE, em 2002 e em 2005, respectivamente, nas Consultas 766 e 1185. "E isso milita a favor da segurança jurídica", enfatizou o ministro Marco Aurélio.


Veja o teor da Consulta 1225:


"Considerando que um determinado partido A coligue-se com o partido B em plano nacional, pergunta-se: em um cenário estadual, levando-se em conta que o partido A tenha candidato próprio ao governo do Estado e o partido B não possuir candidato próprio neste Estado, poderá o partido B celebrar coligações com o partido C, que não apresentou candidato a presidente da República, que não compôs a coligação em nível nacional e nem se coligou com qualquer outro partido em esfera nacional?


Confira a proclamação do resultado da Consulta:


"A resposta seria a resposta dada na Consulta 715 e por último, na Consulta a que me referi, a 1185, na qual fui relator e designado para redigir, o ministro Caputo Bastos:


Os partidos políticos que ajustarem coligações para a eleição de presidente da República não poderão formar coligações para a eleição de governador de estado, Distrito Federal, senador, deputado federal, deputado estadual ou distrital, com outros partidos políticos que tenham, isoladamente ou em aliança diversa, lançado candidato a eleição presidencial. A contrário senso, se o partido não lançou candidato à eleição presidencial, viável, portanto, na base, é a coligação."


Segurança jurídica


Na entrevista coletiva concedida aos jornalistas, no intervalo da sessão de julgamento, o ministro Marco Aurélio observou que "prevaleceu a almejada segurança jurídica".


Segundo o ministro Marco Aurélio, coube ao TSE levar em conta a estabilidade legislativa e a impossibilidade de se tornar uma "caixinha de surpresas", já que ele próprio decidira, ao término de 2005, da forma que decidiu em 2002. Ou seja, admitindo de forma temperada a coligação. Em sua opinião, o Tribunal sai fortalecido do julgamento, por demonstrar que evolui, "tão logo convencido sobre a procedência do pleito formalizado".


Mão à palmatória


O ministro Marco Aurélio explicou que, em seu voto anterior, "partiu do pressuposto de que o Supremo Tribunal Federal (STF) teria estabelecido a verticalização pura e ortodoxa" e assumiu dar a mão à palmatória:


"Sem dúvida alguma eu parti de um equívoco. E dei a mão à palmatória, como incumbe a todo e qualquer juiz fazer, tão logo convencido de maior razão ao entendimento que rechaçara", argumentou.


Pressões políticas


Ao ser indagado se o Tribunal agiu sob pressão política, o ministro respondeu que "de forma alguma". Segundo ele, "o Judiciário não age, quer engajado em uma política governamental em curso, quer considerada pressão política ou mesmo barulho da população e o que é veiculado até pela mídia". "O judiciário atua tendo em conta as 'balizas' do processo e as normas da matéria versada", enfatizou.


Alianças


"Quanto às alianças informais", esclareceu o ministro Marco Aurélio, "estas existirão e você não terá algo concreto para desafiar uma impugnação". E prosseguiu: "Mas a resposta ao 'faz-de-conta' pressupõe, de qualquer forma, uma norma de regência que seja clara, precisa quanto ao alcance. E o alcance do artigo 6º fora já proclamado pelo Tribunal nas diversas consultas".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)