Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Maio de 2018

Últimas Notícias

01/11/2014 15:05

Vacina contra aftosa sobe 23% e custo para imunizar rebanho atinge R$ 34 mi

Campo Grande News

Com o início da segunda etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa, os pecuaristas já se preparam para a alta nos preços do produto que chega a 23% este ano. A dose, que até maio era encontrada por R$ 1,30, agora custa entre R$ 1,50 e R$ 1,60 e a conta para imunizar todo o rebanho do Estado, com 21,4 milhões de cabeças, pode chegar a R$ 34,24 milhões. Os produtores reclamam a falta de atenção do governo ao reajuste feito pelos laboratórios que fornecem as doses aos representantes agropecuários.

A Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) já entrou com representação contra os laboratórios que produzem a vacina no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), além de recorrer até ao Procon (Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor).

Para o presidente da Acrissul, Francisco Maia, os laboratórios formam um cartel fazendo com que o produtor não tenha saída, a não ser comprar as doses no preço instituído pelos fornecedores. “Todo ano é uma verdadeira exploração, porque é um segmento cartelizado. São duas ou três empresas que fazem o preço, o governo não toma as devidas medidas com relação a isso e o produtor não tem saída, porque é obrigado a vacinar”, diz o presidente da entidade.

O reajuste, que o presidente classifica como uma “faca no pescoço do pecuarista”, é feito todos os anos. Segundo Maia, o preço sobe sempre além da inflação e resta ao produtor negociar para conseguir desembolsar um pouco menos. “O Governo do Estado deveria ver junto aos laboratórios o por quê desses reajustes”, provoca o presidente da Acrissul.

“O jeito é juntar três ou quatro pecuaristas para comprar muito e comprar com preço melhor”, sugere Maia, ao explicar que a Acrissul continua se manifestando para conter os reajustes do produto, mas sem sucesso. O pecuarista Darci Ruy Borgelt, que tem propriedade em Chapadão do Sul, a 321 quilômetros de Campo Grande já se conformou com os preços. “Temos que vacinar. Não tem jeito, então eu já nem me preocupo com o valor”.

Na Alvorada Produtos Agropecuários, onde a dose da vacina sai por R$ 1,60, o gerente Ricardo Sousa explica que o preço é definido pelo laboratório e as lojas repassam o reajuste ao produtor, mas quando o pecuarista chora, pode conseguir um preço melhor de acordo com o valor total da compra no estabelecimento. “A vacina traz várias despesas, como isopor e gelo, então é difícil não passar o preço ao consumidor. Descontos dependem de quanto os clientes compram no total de produtos”, diz.

Prazos - A segunda etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa 2014 começa neste sábado (1º) nas regiões do Pantanal e Planalto do Estado. A imunização é obrigatória para todas as faixas etárias, de "mamando a caducando", nas regiões de Fronteira e Pantanal para os produtores optantes da etapa de novembro, já no Planalto deverão ser vacinados apenas os animais de 0 a 24 meses.

Até 15 dias após o término da campanha, o produtor deverá fazer a declaração de vacina no site da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal). Na região de Fronteira (antiga zona de Alta Vigilância), a segunda fase da vacinação começou no dia 1º de outubro, com prazo final no dia 15 de novembro. No Planalto a vacinação vai até 30 de novembro e no Pantanal até 15 de dezembro.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Maio de 2018
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)