Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/02/2005 09:21

Uréia pode ser eficaz no aumento do desempenho de bovino

Agência Notisa

Pesquisa mostra que substituição do farelo de soja por essa fonte de energia aumenta o consumo, o ganho de peso e a conversão alimentar desses animais.

A utilização de farelo de soja como fonte de proteína na alimentação de bovinos é muito comum e é uma medida muito adotada por pecuaristas. No entanto, seu custo é elevado. Por isso, muitas pesquisas têm sido realizadas com o intuito de verificar se o farelo de soja pode ser substituído por outras fontes de proteína. Uma delas é um estudo conduzido por pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, que tem por objetivo analisar a substituição do farelo de soja por uréia ou amiréia, que é obtida a partir de uma modificação da uréia convencional, utilizando-se o milho como fonte de amido, no desempenho de bovinos de corte em crescimento.

De acordo com artigo publicado na edição de setembro de 2004 da revista Pesquisa Agropecuária Brasileira, “foram utilizados 81 machos não castrados (27, Nelore; 27, Canchim; 27, Holandês), com peso médio inicial de 250 kg e média de 15 meses de idade”. Os animais foram alimentados com dietas contendo bagaço de cana-de-açúcar in natura como volumoso (20%) e 80% de concentrado. O período experimental durou 118 dias.

Os pesquisadores constataram que os animais alimentados com concentrados de farelo de soja apresentaram menor consumo de matéria seca, ganho de peso e pior conversão alimentar do que aqueles que receberam tratamento com uréia e amiréia. “O menor consumo de matéria seca proporcionou um menor aporte energético para o animal e, conseqüentemente, um menor ganho de peso diário”, explicam no artigo. As outras duas dietas proporcionaram aos bovinos maior desempenho, no entanto não demonstraram diferenças entre si.

Mesmo tendo demonstrado ser um técnica alimentar eficaz, a equipe alerta para os perigos que o excesso de uréia ou amiréia na alimentação dos animais pode causar: “essas fontes de proteínas apresentam rápida liberação de amônia no rúmen e, dependendo da quantidade, podem exceder a capacidade de utilização dos microrganismos. Conseqüentemente, o excesso de amônia é absorvido pela parede ruminal e, uma vez na corrente sanguínea, a amônia pode ser tóxica para o animal”.

Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)