Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/01/2013 13:40

Um relato de quem sofreu com a chuva no Corredor da Servidão

Família precisou levar filha de três anos para casa dos avós

Bruna Girotto
Fotografia feita do Corredor da Servidão logo após a forte chuva que caiu em Cassilândia (Foto: Ana Paula Borges)Fotografia feita do Corredor da Servidão logo após a forte chuva que caiu em Cassilândia (Foto: Ana Paula Borges)

Ana Paula Borges vive com o marido e uma filha de três anos em uma casa localizada no Corredor da Servidão em Cassilândia (MS). Ela relatou, ao Cassilândia News, momento de tensão e desespero que passou na noite de ontem (03/01) em razão da forte chuva que atingiu o município e invadiu sua casa. 

Cassilândia News - Que horas percebeu que deveria deixar a sua residência e ir para casa de seus pais?
Ana Paula - Desde às 22:49, quando tirei a primeira foto. A água e o barro começaram a invadir a área de nossa casa. Mas infelizmente, desde que as manilhas do Corredor da Servidão foram inutilizadas, isso tem acontecido em chuvas fortes.

Cassilândia News - Quais móveis estragaram?
Ana Paula - Foi questão de segundos até percebermos que a água entraria dentro de casa. Então meu esposo começou a rapar com um rodo freneticamente, numa tentativa de impedir que a água entrasse. Mas, é claro, essa água fedida entrou na nossa casa. Graças a Deus, estragou só a rack da tv. E o meu esposo continuava a rapar...

Cassilândia News - Como foi o desespero e o medo, em razão de ter uma filha pequena e da chuva e do barro estar invadindo a casa?
Ana Paula - Como em frente de casa não tem iluminação pública, não havia como termos noção do volume de água, tudo acontecia muito rápido. O que eu fiz foi correr e colocar minha filhinha de 3 aninhos em cima da mesa da cozinha, que foi o lugar mais rápido que me ocorreu no momento. Então, corri no fundo e busquei um outro rodo, e tentei rapar a água que invadia nossa casa. Ao mesmo tempo, dizia ao meu esposo: 'eu não sei o que faço, meu Deus, a água não para, a gente tem que sair daqui. A gente tem q tira nossa filha daqui'. E ele me respondia: 'liga para sua mãe, leve-a para casa de sua mãe. Foi o que fiz. Enquanto isso minha filhinha permanecia em cima da mesa, toda encolhidinha. Sabe aquele choro preso, suspirado? Era assim que ela ficava vendo a água entrar no quartinho dela. Não dá pra ter a ideia de quanto as coisas acontecem rápido. Meus pais que já têm mais de 60 anos vieram, então eu saí com minha filhinha nos braços, debaixo daquela chuva, ela com os olhinhos tão espantados, chorando suspirando, a água quase no meu joelho, uma enxurrada forte. Quando vemos pela TV, a gente vê, sabe que é triste, mas não consegue ter proporção da tristeza que é, da preocupação em salvar quem a gente ama. Como eu disse antes, não tem como prever se a enxurrada vai aumentar de repente ou se vai diminuir. Se na hora que você está atravessando, você pode cair. E eu estava com meu maior tesouro nos braços. Estava tão escuro! Deixei nossa filha na casa da minha mãe com ela e voltei. Em nossa casa, o meu esposo continuava a tentar segurar a força da enxurrada, agora com a ajuda do meu pai. Meu pai é diabético, está quase cego de um olho, e tem um sério problema de coluna, a cada gesto que ele fazia, gemia de dor. Mas continuava ali firme! E eu fazia o que podia dentro de casa, pra água não entrar dentro dos quartos. Nessa hora a gente agradece pelo desnível da casa, pois grande parte da água entrou pro banheiro e foi para o ralo!

Cassilândia News - Já conseguiu limpar o estrago da chuva? 
Ana Paula - Graças a Deus a chuva começou a diminuir, foi parando... tiramos o que deu pra tirar de água de dentro de casa. Trancamos e fomos pra casa da minha mãe. Chegamos em casa de manhã e imaginem a sujeira. Meu esposo está tirando do lado de fora com pá e carriola o barro fora de casa. Ainda não começamos a limpar dentro de casa, mas já tiramos algumas coisas pra conseguirmos limpar depois, claro que isso só será possivel com a mangueira! E por falar em mangueira, a pressão da água está tão ruim porque há 2 meses ou mais, há um vazamento de um cano na rua, ou melhor dois. Um em frente a casa dos meus pais e outro em frente a casa de um dos nossos vizinhos do nosso lado da rua. Não podemos comparar o que aconteceu conosco com as grandes tragédias das enchentes. Mas ver todo aquele volume de água entrando dentro de casa, que é um lugar que esperamos estar seguros... Graças a Deus, embora tendo colocado nossa filhinha pra dormir um pouco antes da chuva começar de fato, ela não pegou no sono por medo dos trovões e ela nunca tinha feito isso antes. Imaginem se tivéssemos que acordá-la? Enquanto eu atravessava com ela nos braços, senti um misto de pavor, com indignação! Tive medo de cair com ela, dela entrar em contato com aquela água tão nojenta. Tive medo da água aumentar enquanto atravessávamos! Mas ao amanhecer e ver meus vizinhos limpando suas casas, ver que o asfalto quase sumiu debaixo de tanto barro. O que tomou conta de mim, foi a indignação. Não é segredo pra ninguém que a verba pra resolver a situação do Corredor da Servidão é do tempo do ex-prefeito José Donizete. Quanto tempo já faz isso? Quanto material já foi desperdiçado, com esse começa e para da gestão do Carlinhos? E logo na reta final ele colocou um maquinário aqui no Corredor da Servidão fazendo "pose" de que estava fazendo algo. E não fez. Bastou as eleições passarem pra obra parar de novo! Até quando? E mais uma vez eu pergunto, contra fatos há argumentos? Não é porque a água entrou na minha casa. Eu moro de aluguel, poderia muito bem mudar daqui. Mas e aí? As outras pessoas que moram aqui? Todos nós merecemos respeito. A quem compete esta responsabilidade?

(As fotos postadas na galeria de imagem são das residências dos vizinhos da entrevistada e foram tiradas por ela na manhã desta sexta-feira). 

Confira a galeria de imagens:
  • Um relato de quem sofreu com a chuva no Corredor da Servidão
  • Um relato de quem sofreu com a chuva no Corredor da Servidão
  • Um relato de quem sofreu com a chuva no Corredor da Servidão
  • Um relato de quem sofreu com a chuva no Corredor da Servidão
Só a equipe da prefeitura não faz nada, se o administrador não assinar embaixo, pode ser qq um competente na central de projetos, se o prefeito não tomar uma atitude drástica, que quem esteve lá dentro sabe qual é. É uma pena mesmo. Triste ver Cassilândia assim, minha família ainda mora ai, e sempre que possível vou visitá-los, tanto faz morar em SP, ou MS.
 
Alessandra Ellero Cassino em 07/01/2013 13:48:08
esta reportagem deveria chegar as mãos dos politicos que adoram fazer campanha com orações e rezas sempre lembrando das familias, com a seguinte pergunta, por que eles não olham realmente pra familia cassilandense só olham pra familia deles, só a deles interessa?
 
flavia ribeiro magalhaes em 05/01/2013 09:01:22
pois é, é triste mas é a realidade, vocês procuram se mora algum vereador ou secretário da prefeitura nesta rua? não, acho que nem em rua de terra moram, por isso continua assim, esta calamidade, e tem que ser feito algo rápidinho, porque as chuvas só estão começando...
 
maria aparecida da silva em 04/01/2013 20:20:57
A gente vota em um prefeito e em vereadores, faz campanha por eles no Facebook e no final das contas o que ganhamos de gratidão é isso.
Espero que alguma providência seja tomada ainda hoje, porque muita chuva ainda está por vir!
 
Letícia Moraes em 04/01/2013 16:04:37
Moro em são paulo, sou prima do pai da ana paula que é o vascão, estou indignada com este acontecimento, pensei que fosse só aqui que tinha estas coisa de enchentes, mas pelo jeito é em todo lugar, estes políticos só prometem as coisa em vésperas de eleições e depois esquecem, agora espero que a ana paula aprenda e nunca mais acredita em politico, não vote em nin guem, o que ela tem que fazer agora é pedir uma indenização bem grande.
 
lazara pereira borges em 04/01/2013 14:56:48
Sou moradora do Corredor da Servidão, é muito triste ver a situação da rua e mais triste ainda ver o descaso dos administradores, entra ano e sai ano e nada é feito, eu mesma falei várias vezes com secretários da prefeitura para que fizessem alguma coisa mas é sempre a mesma enrolação "vou mandar passar a máquina lá" e fica por isso mesmo, é uma falta de respeito com as pessoas.
 
Regiane Castilho em 04/01/2013 14:53:02
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)