Cassilândia, Sábado, 29 de Abril de 2017

Últimas Notícias

09/09/2008 13:23

Um em cada 100 brasileiros tem epilepsia

Paula Laboissière /ABr

Brasília - Dados da Federação Brasileira de Epilepsia revelam que um em cada 100 brasileiros tem a doença, provocada por uma alteração do funcionamento do cérebro que gera as chamadas crises epilépticas.

Durante manifestação pública realizada hoje (9) em frente ao Ministério da Saúde, a presidente da federação, Rosa Maria Lucena, alertou que as cirurgias para amenizar os sintomas da epilepsia e facilitar o tratamento do paciente não estão sendo realizadas.

“A lei reza que um portador de epilepsia pode fazer a cirurgia pelo menos uma vez por semana. Desde 2007, a cirurgia não está acontecendo normalmente. Este ano, somente seis pacientes foram operados.”

A alegação das Secretarias de Saúde, segundo ela, é que a demanda de pacientes acidentados ou com qualquer outro tipo de patologia mais grave é grande nos hospitais públicos e que a pessoa com epilepsia não pode ser prioridade no atendimento. “O epiléptico vai ficando de lado”, reclama Rosa Maria.

“Nossa principal reivindicação é a volta da cirurgia para o paciente portador de epilepsia e o cumprimento da distribuição de remédios nos postos de saúde. Existe risco de saúde, porque aquele paciente, cada vez mais, vai tendo crises. Ele pode cair a qualquer momento, no asfalto, perto do fogão. O paciente é muito prejudicado.”

O estudante Vinícius Souza de Almeida passou pela cirurgia há dois anos. Ele avalia que, desde então, muita coisa mudou e que as críticas a respeito de sua condição diminuíram. Ele lembra que antes não podia estudar e que nunca recebeu uma oferta de trabalho. O preconceito contra epilépticos no Brasil, segundo o estudante, persiste.

“Pessoa nenhuma me quis, da rua e até da própria família. É uma coisa que não pode acontecer. As pessoas têm que entender o que é epilepsia para poder criticar o outro. Hoje estudo, tenho oportunidade de trabalho e estou com vontade de crescer na vida. O começo vai ser agora.”

A funcionária pública Alaíde Ferreira de Souza apresentou os primeiros sintomas da epilepsia aos 5 anos de idade. Quase 30 anos depois, conseguiu realizar a cirurgia. Ela explica que antes chegava a ter cerca de 20 crises e a tomar mais de 20 comprimidos em um único dia.

“Vivia dormindo, dopada, não trabalhava e não tinha condições de estudar direito. Depois da cirurgia, a minha medicação diminuiu para três comprimidos por dia e não tenho mais crise. A cirurgia não tira remédio, mas dá qualidade de vida para a pessoa. Tenho uma casa, uma família, tudo é normal.”

Ela diz que a cirurgia, entretanto, não é indicada para todas as pessoas que têm a doença. Um exame denominado monitorização, segundo Alaíde, define a situação do paciente e, dependendo da localização do problema, ele não pode ser operado, porque corre risco de ter a visão ou a audição prejudicada. “O médico diz para você se pode ou se não pode”, relata a funcionária pública.

“É melhor ter essa oportunidade e arriscar do que viver caindo. E a epilepsia, não é perigosa? Na rua, você passa mal, é atropelado, as pessoas não querem te socorrer, têm medo de pegar a doença, por preconceito. É um risco como em qualquer outra cirurgia”, ela acrescenta.

O Ministério da Saúde foi procurado para se pronunciar sobre o assunto, mas não quis se manifestar.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 29 de Abril de 2017
Sexta, 28 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)