Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/08/2011 09:35

Um ano depois do acidente, o que aconteceu com os 33 mineiros

Renata Giraldi*, Agência Brasil

Brasília - Um ano depois do acidente com os 33 mineiros soterrados no Norte do Chile, os trabalhadores ainda buscam uma ocupação estável e muitos estão em tratamento de saúde. Do grupo, sete estão de licença médica devido a transtornos do sono e depressão, enquanto cinco se tratam de alcoolismo e 14 pediram aposentadoria antecipada por se sentirem incapazes de voltar a trabalhar.

Dos 19 mineiros que pretendem continuar trabalhando, dez conseguiram apenas atividades temporárias, como taxista, pedreiro e vendedores de frutas e verduras em feiras, enquanto quatro voltaram às minas e cinco ministram palestras sobre segurança no trabalho e motivação.

Omar Reygardas é um dos palestrantes, mas disse que gostaria de retornar às minas. \"Eu sou mineiro e tenho que voltar a trabalhar numa mina\", disse.

A expectativa dos 33 mineiros é arrecadar dinheiro com a venda de livros, filmes e minisséries inspiradas na história deles. Hollywood assinou contrato para rodar um filme no próximo ano. Paralelamente, alguns dos trabalhadores foram a 14 países e estiveram com autoridades.

No mês passado, 31 mineiros processaram o governo do Chile por negligência. Eles querem uma indenização no valor de US$ 540 mil para cada um. O Estado gastou cerca de US$ 22 milhões nas operações de resgate.

Em 5 de agosto de 2010 um desmoronamento na Mina de San José, no Deserto de Atacama, no Norte do Chile deixou um grupo de 33 homens - 32 chilenos e um boliviano - soterrado a cerca de 700 metros de profundidade por 70 dias. Eles sobreviveram e foram considerados “heróis nacionais”.

O acidente com os 33 mineiros acendeu a luz de alerta no mundo sobre os riscos e as ameaças da profissão. Anualmente são registradas aproximadamente 12 mil mortes, de acordo com indicadores internacionais.

A China é um dos países que registra mais acidentes com cerca de 80% de mortes. Mais de 2.400 mineiros perderam a vida no ano passado em minas chinesas, com uma média de mais de seis acidentes mortais por dia.

Segundo organizações não governamentais, esses números oficiais poderão estar muito abaixo da realidade, dado que muitas minas operam ilegalmente e há acidentes que não são comunicados por receio de sanções ou de encerramento.


*Com informações da emissora pública de rádio da França, a RFI, e a agência pública de notícias de Portugal, Lusa // Edição: Lílian Beraldo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)