Cassilândia, Quinta-feira, 20 de Junho de 2019

Últimas Notícias

21/05/2019 18:30

Um ano após a greve, diesel está 2,8% mais barato em MS

Correio do Estado

 

Um ano após caminhoneiros deflagrarem a paralisação nacional para reivindicar queda no preço do diesel e a criação de uma tabela do frete, o valor médio do combustível comercializado nos postos de Mato Grosso do Sul está 2,8% menor que o vendido em maio de 2018, mês da greve da categoria que durou 10 dias no País. De acordo com levantamento de preços da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio mensal do diesel comum alcançou neste mês R$ 3,705, ante R$ 3,812 em maio do ano passado, voltando praticamente ao patamar registrado em abril, antes das manifestações, quando o preço médio era de R$ 3,714.

Em Campo Grande, segundo os dados da ANP, o preço médio do diesel apresentou recuo de 1,3% no comparativo entre maio deste ano e 2018, passando de R$ 3,689 para R$ 3,640. O valor também retornou à média de preço registrada na capital sul-mato-grossense em abril de 2018, então calculada em R$ 3,648.

O último levantamento de preços da agência refere-se ao período de 12 a 18 de maio. No entanto, levantamento realizado pelo Correio do Estado em 15 postos na área central, bairros e região do Macroanel Rodoviário apontou que a média de preço aumentou nesta segunda quinzena do mês e ficou em R$ 3,677. A variação de preços entre os postos pesquisados chega a 6,8% e o menor valor encontrado na Capital foi R$ 3,590, enquanto o maior ficou em R$ 3,834.

Um dos fatores que podem ter contribuído para segurar a alta de preços do diesel no período de um ano é a redução da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 17% para 12% desde maio do ano passado, quando eclodiu a paralisação dos caminhoneiros. Mantida por tempo indeterminado pelo governo do Estado, a medida representa um dos poucos pontos concretos a refletir sobre o cenário estadual de preços dos combustíveis. Porém, a média semanal de preços do diesel no Estado, de R$ 3,736 por litro, representa a maior no intervalo de 10 semanas, numa trajetória de alta observada desde a segunda semana deste mês, quando a Petrobras anunciou reajuste de 2,57% para o produto – o primeiro praticado pela estatal para o diesel desde 18 de abril, quando os preços subiram 4,8%.

VARIAÇÃO NO PAÍS

Um ano depois da greve dos caminhoneiros, a categoria desembolsa valores ainda mais variados para abastecer o caminhão e percorrer as estradas do Brasil. O preço médio nacional do diesel S10 é de R$ 3,73, enquanto o do diesel S500 fica a R$ 3,65.

Esse valor é o maior registrado em 2019 e já ultrapassa o patamar alcançado na segunda semana de maio de 2018, antes da greve de caminhoneiros, quando o S10 estava a R$ 3,64 e o S500, a R$ 3,55.

Os dados são do relatório do período entre 12 e 18 de maio da ANP, com pesquisa feita em postos de combustíveis.
Para Gustavo Gama, professor da pós-graduação de Direito e Contabilidade Tributária do Ibmec-RJ, isso se deve principalmente à situação fiscal dos estados, que piorou nos últimos anos. Como consequência, diz o professor, os estados elevaram o ICMS em busca de aumento na arrecadação.

Ainda segundo ele, os estados com uma economia menos desenvolvida tendem a subir o ICMS de produtos essenciais, como os combustíveis, também para elevar a arrecadação do estado.

“As pessoas não deixam de consumir [combustível] porque é um bem essencial. Realmente, isso explica um pouco o porquê de a carga tributária de combustíveis em alguns estados ser muito alta. E ela costuma ser especialmente mais alta em estados com dificuldade financeira, porque o estado sabe que pode aumentar a carga tributária naquele produto, já que as pessoas não podem deixar de consumir”, diz Gama.

Para ele, a questão do preço do diesel ainda não foi resolvida. Uma possibilidade, segundo Gama, é que o governo federal dê algum tipo de ajuda aos estados para que haja uma redução do ICMS. Segundo ele, “não é possível pensar que estados nas atuais situações financeiras possam reduzir os impostos sem nenhum tipo de compensação”.

O Ministério da Infraestrutura não comenta o preço médio do diesel nem a variação entre estados. A pasta afirma, porém, que o atual governo criou um novo modelo de diálogo com os caminhoneiros e que o Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário de Cargas passou a se reunir a cada dois meses, com mais entidades representadas. O ministério diz ainda que fez uma série de compromissos com a categoria em 22 de março deste ano, como o novo cálculo para o piso mínimo do frete.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 20 de Junho de 2019
Quarta, 19 de Junho de 2019
09:00
Santo do Dia
Terça, 18 de Junho de 2019
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)