Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

22/05/2012 19:03

UFF e UFRJ entram em greve

Agência Brasil

Rio de Janeiro – Professores da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) decidiram, nesta terça-feira (22), em assembleia geral, aderir à greve nacional convocada pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes).

Com a decisão, as duas instituições se juntam à Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio) e à Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), que estão com seus cursos parados desde o dia 17. No Rio de Janeiro, as quatro universidades federais da capital fluminense estão com as aulas paralisadas. Com a adesão da UFF e da UFRJ, em todo o país, 43 universidades federais estão em greve.

Para a vice-presidente do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) no Rio, Sônia Lúcia Rodrigues, a greve é em defesa dos alunos e um direito de todos para reivindicar melhores condições de trabalho. “A nossa greve é em defesa dos alunos. Estamos há um ano e meio tentando negociar com o governo, mas ele não responde às nossas reivindicações”, disse. Segundo Sônia, mais de 900 alunos da UFF participaram da assembleia e, em apoio aos professores, também resolveram aderir à paralisação por melhorias na infraestrutura de alguns campi da instituição.

O aluno do curso de engenharia agrícola e ambiental da UFF, Pablo Soares de Alvarenga, de 22 anos, apoia o movimento. Para ele, a greve não só trará benefícios aos professores, como também melhorias na infraestrutura da universidade. “ A greve é em prol dos professores e do futuro da instituição, até porque muitos alunos pretendem fazer mestrado e seguir a carreira de professor”, disse.

Entre os benefícios reivindicados pela categoria está a incorporação das gratificações em 13 níveis remuneratórios, variação de 5% entre níveis a partir do piso para regime de 20 horas correspondente ao salário mínimo do Dieese, que no momento está calculado em R$ 2.329,35, além de percentuais de acréscimo relativos à titulação e ao regime de trabalho. Atualmente, o piso salarial é de R$ 557,51.

Os profissionais também reivindicam melhores condições de trabalho e restruturação do plano de carreira nos novos campi criados por meio do Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades (Reuni), que aumenta a oferta de vagas em instituições federais de todo o país.

Edição: Fábio Massalli

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)