Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

Últimas Notícias

22/08/2012 10:39

Uems supera em 35% a meta que propõe reserva de cotas sociais nas universidades

Brasiluza Neves , noticias ms

Campo Grande (MS) - Na última semana, o Senado Federal aprovou um projeto de lei que institui cotas sociais e raciais com reserva de 50% das vagas oferecidas em universidades e institutos públicos federais. O desafio de levar a populações economicamente vulneráveis uma educação superior pública e de qualidade já foi vencido espontaneamente pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems), que atualmente tem se destacado nacionalmente por suas ações de inclusão social, racial e étnica.

Segundo dados de 2012, mais de 85% dos alunos matriculados na Uems concluíram o ensino médio em escolas públicas. Dessa forma, a Universidade já superou em mais de 35% a meta traçada pelo projeto de lei que agora segue para sanção da presidenta do Brasil. Os números colocam a Uems entre as mais inclusivas instituições públicas de ensino superior do Brasil.



De acordo com o reitor Fábio Edir, a Universidade foi criada justamente com o objetivo de democratizar o acesso à educação superior em Mato Grosso Sul. “A Uems sempre teve o compromisso social de tornar possível o ingresso na educação superior à população sul-mato-grossense. A grande maioria dos nossos alunos é, e sempre foi, proveniente do ensino público. O acesso democrático à educação superior é um direito precioso que sempre buscaremos preservar na Uems”, diz Fábio Edir.



A partir de 2003, a Universidade instituiu seu programa de cotas garantindo que negros e indígenas tivessem oportunidade de cursar uma universidade pública. O processo seletivo da Universidade reserva 10% de vagas para indígenas e 20% para negros que tenham estudado todo o ensino médio em escolas da rede pública de ensino. Dessa forma a UEMS, que já contempla a inclusão étnica, racial e social, vê com otimismo e cautela o novo dispositivo legal.



Para o pró-reitor de extensão, cultura e assuntos comunitários da instituição, Edmilson de Souza, a promoção do acesso dessas pessoas ao ensino superior não é uma ação benevolente, mas sim a garantia de um direito constitucional. Lembra ainda que o processo de inclusão não termina com o ingresso na Universidade. “Essas pessoas têm uma condição social e financeira muito frágil e os problemas não vão acabar quando eles entrarem na Universidade. Por isso é fundamental que, juntamente com a garantia do acesso, sejam implementadas ações que possibilitem a permanência desses alunos ao longo de suas graduações”, diz Edmilson.





O projeto de Lei



O trâmite para aprovação do projeto de lei já dura 13 anos no Congresso Nacional e caso seja sancionado, já pode ter validade a partir dos próximos processos seletivos. Com a lei, nas seleções para graduação nas universidades e graduação e nível médio/técnico nos institutos federais, deverão ser reservadas 50% das vagas - por curso e turno - para alunos de escolas públicas. Destas, 25% serão preenchidas por candidatos de famílias que tenham rendimento mensal abaixo de 1,5 salário mínimo per capita.



Segundo o projeto, as vagas das cotas também deverão ser preenchidas de acordo com a distribuição por raça e cor do censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em cada estado. No Ceará, por exemplo, o Censo 2010 mostra a seguinte distribuição: pardos (62,33%), brancos (31,65%), pretos (4,56%), amarelos (1,23%) e indígenas (0,24%). Com base nele, 67,13% das vagas destinadas aos cotistas seriam ocupadas por candidatos que se declararam negros, pardos ou indígenas.



Fonte: UEMS



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)