Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

28/04/2016 12:00

Turma condena réu a três anos de reclusão pela prática de evasão de divisas

TRF 1ª Região

 

A 3ª Turma do TRF da 1ª Região condenou um réu a três anos, dez meses e 20 dias de reclusão pela prática do crime de evasão de divisas. De acordo com os autos, ele, valendo-se de intrincada rede de conexões bancárias, agiu de forma criminosa ao remeter aos Estados Unidos da América, nos anos 2000 e 2001, US$ 237.172,95 sem autorização legal ou comunicação à repartição competente. O acusado também manteve mais de US$ 50 mil em depósito no exterior não declarado à Receita Federal.

Com base nessas informações, e também nas de que tais operações financeiras teriam sido realizadas por meio de contas correntes nos bancos BFC International, CB Financial e JP Morgan Chase Bank, o Ministério Público Federal (MPF) apresentou denúncia contra o cidadão, requerendo sua condenação pela prática do crime de evasão de divisas. Em primeira instância, o pedido foi julgado procedente para condenar o acusado a dois anos e quatro meses de reclusão e ao pagamento de 10 dias-multa.

Réu e MPF recorreram ao TRF1 pleiteando a reforma da sentença do Juízo Federal da Seção Judiciária do Amazonas. O primeiro argumenta que não há nos autos provas suficientes para embasar sua condenação, fundamentadas apenas em cópias de fac-símiles, que, “em hipótese alguma, podem ser consideradas hábeis a comprovar a materialidade do crime de evasão de divisas”. O MPF, por sua vez, contestou a dosimetria da pena aplicada diante da presença de circunstâncias judiciais desfavoráveis ao condenado, tais como culpabilidade, motivos e consequências do crime.

Ao analisar o caso, o Colegiado acatou parcialmente as alegações apresentadas pelo MPF. Em seu voto, o relator, desembargador federal Mário César Ribeiro, destacou que a autoria e a materialidade do crime foram devidamente comprovadas, uma vez que se demonstrou o vínculo existente entre as contas bancárias, nomes e endereços do réu como ordenante e beneficiário de recursos enviados ao exterior sem autorização do órgão competente.

“É entendimento do egrégio Superior Tribunal de Justiça no sentido de que o elevado montante enviado ao exterior sem comunicação às autoridades brasileiras constitui motivo idôneo para a elevação da pena-base por função das consequências do delito e, consequentemente, pela grande lesão ao erário público”, esclareceu o magistrado ao elevar a dosimetria da pena.

A decisão foi unânime.

Processo nº: 0016963-72.2010.4.01.3200/AM

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)