Cassilândia, Terça-feira, 25 de Abril de 2017

Últimas Notícias

25/09/2014 08:20

TRT18 não reconhece vínculo empregatício entre cabeleireira e dona de salão

TRT18

Uma cabeleireira que trabalhava no salão Deividiana Centro de Beleza e Estética, no setor Bueno, não conseguiu provar vínculo empregatício com a dona do salão. A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO) reconheceu que havia, na verdade, prestação de trabalho sob a modalidade parceria, no qual o profissional executa suas atividades com liberdade e percebe comissões vantajosas sobre os serviços realizados.

O juiz de primeiro grau entendeu que a cabeleireira prestava serviços de forma autônoma sob típico regime de parceria, bem como tinha participação idêntica no valor 50 % dos serviços realizados. Inconformada com a decisão, a trabalhadora interpôs recurso no segundo grau requerendo o reconhecimento do vínculo empregatício, sob a alegação de trabalhar com subordinação à empresa. A desembargadora Kathia Albuquerque, relatora do processo, ressaltou que a principal diferença entre as figuras do empregado e do autônomo situa-se na subordinação jurídica. “A autonomia caracteriza-se pelo fato de que é o próprio prestador de serviços quem estabelece e concretiza a forma de realização dos serviços, enquanto que na subordinação a direção do modo de trabalhar transfere-se ao tomador de serviços”, explicou.

A relatora do processo, na análise dos autos, levou em consideração depoimento testemunhal, que esclareceu que a trabalhadora tinha liberdade para definir horários com clientes, para definir seus horários de chegada e saída e para ausentar-se, “sem receber ordens ou interferências e sem qualquer sanção por parte da reclamada”. A magistrada também afirmou que não ficou provado nos autos que a cabeleireira recebia salário fixo, como alegado. Além disso, os depoimentos testemunhais também indicaram que a cabeleireira recebia comissões de 50% sobre os serviços prestados, livre das despesas.

A magistrada concluiu que, para o reconhecimento do vínculo, seria necessária prova cabal da subordinação, um dos requisitos para se caracterizar relação de trabalho, o que não se verificou nos autos. Assim, a Primeira Turma decidiu, por unanimidade, manter a decisão de primeiro grau, que não reconheceu o vínculo empregatício entre a cabeleireira e a dona do salão.

Processo: 0011122-21.2013.5.18.0004

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 25 de Abril de 2017
Segunda, 24 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 23 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)