Cassilândia, Domingo, 26 de Maio de 2019

Últimas Notícias

01/04/2019 11:20

Trégua entre Bolsonaro e Maia é vista com descrédito dentro do Congresso

Correio do Estado

 

A trégua ensaiada entre os presidentes da República, Jair Bolsonaro (PSL), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), depois de dias de bate-boca não desfez o temor entre parte dos deputados com as consequências do desarranjo político do governo.

Congressistas de direita e centro-direita passaram a semana manifestando preocupação com a forma como o Executivo, em especial Bolsonaro, trata o Legislativo.

O presidente fez provocações públicas a Maia, que retribuiu. As discussões envenenaram o ambiente político e as expectativas do mercado. Na quinta-feira (29), a disputa arrefeceu, mas o ceticismo permanece.

Sem esforço de Bolsonaro para organizar uma base aliada para aprovação da reforma da Previdência, deputados dizem que ele flerta com o caos na intenção de desmoralizar o Congresso perante a opinião pública.

A conversa chegou a Maia, que reagiu com cautela. "Precisamos ter paciência e fortalecer o Poder Legislativo", disse o presidente da Câmara à Folha de S.Paulo. "Com as instituições fortes e equilibradas -Supremo Tribunal Federal, Legislativo, Executivo e imprensa livre-, não haverá risco de ruptura."

A exoneração do funcionário do Ibama que multou Bolsonaro por pesca irregular, a demissão da presidente da Embratur e dois diretores e a desautorização do ministro Sergio Moro na indicação de Ilona Szabó para a suplência de um conselho são, para alguns deputados, indícios de autoritarismo do presidente.

Parte dos parlamentares com bom trânsito com Maia advoga que o Congresso deve dar seguidos recados ao governo, com a aprovação de projetos que contrariam interesses do Executivo.

Outro grupo pondera que, se aprovar medidas para atrapalhar o governo, o Legislativo acabará alimentando a narrativa do Planalto de que prioriza interesses não republicanos.

Por isso, esses deputados veem com preocupação momentos como a aprovação relâmpago, na terça-feira (26), da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que torna o Orçamento ainda mais engessado e pode comprometer o teto de gastos.

Aliados de Maia dizem que líderes do centrão queriam ir mais longe e acelerar a tramitação de projetos ainda piores para o Executivo. Segundo os relatos, Maia conteve os ímpetos e a PEC foi uma imposição dos líderes como denominador comum.

"Quando o diálogo fica muito difícil, cada um tem de ocupar o seu quadrado, Executivo, Câmara, Senado, cada um fazer a sua parte", disse o líder do PP, Arthur Lira (AL).

Notam deputados que a especulação em torno de um hipotético impeachment, da mesma forma, fortalece a versão segundo a qual os deputados achacam o presidente para dar a ele os resultados legislativos que espera.

O impasse da reforma da Previdência é mais um fator que pode ser usado por Bolsonaro, eles afirmam. Ao dizer que "a bola está com o Congresso", o presidente lava as mãos, sinalizando à população que uma eventual não aprovação é culpa de deputados que não querem o bem do Brasil.

A apreensão com o autoritarismo foi reforçada com manifestações de Filipe Martins, assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, olavista e próximo ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Em uma série de publicações na semana passada, ele fez um manifesto anti-establishment, pregando um canal direto com a população. Para Martins, é urgente "uma coordenação efetiva entre as diferentes alas do governo para trazer o apoio popular para dentro da equação, de modo que o povo tenha um papel ativo na proteção da Lava Jato, na promoção das reformas econômicas e na quebra da velha política".

O temor com uma ruptura encontra eco na esquerda, que se levantou contra a determinação de Bolsonaro para que o 31 de março, dia do golpe que instaurou a ditadura militar em 1964, fosse comemorado. Depois, ele recuou, falando em rememoração. Uma liminar chegou a vetar celebrações, mas ela foi cassada pela Justiça Federal.

A semana da Câmara foi pautada por discursos na tribuna de deputados de oposição alertando para o risco de ameaças à democracia.

No governo, um ministro disse reservadamente que o Congresso cava a própria cova ao insistir na obtenção de cargos em troca de apoio. Para ele, é a fome por postos de bom orçamento que Bolsonaro e companhia reagem ao criticar a velha política.

Há, no entanto, um espaço vazio de articulação legítima, sem a qual o governo sofre derrotas e desgastes evitáveis. No caso da PEC do Orçamento, por exemplo, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), líder do governo no Congresso, foi um dos três votos contrários, ante os 448 a favor no primeiro turno.

Ela gargalhou ao saber que o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), votou a favor e disse ter sido uma vitória do governo.

"Não acredito que o governo esteja trabalhando com o caos", disse o vice-presidente da Câmara e presidente do PRB, deputado Marcos Pereira (SP). "É falta de experiência, até porque o Congresso tem todas as condições constitucionais para não permitir que eventuais vontades pessoais autoritárias prevaleçam no país."

Com indicadores econômicos ruins, como o aumento do desemprego para 13,1 milhões de pessoas, e popularidade em queda, o governo terá mais dificuldades para mobilizar a população a seu favor. "O povo não quer saber de ideologia, o povo quer saber de resultado", afirmou Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), líder da maioria.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 26 de Maio de 2019
Sábado, 25 de Maio de 2019
11:34
Cassilândia
10:00
Receita do Dia
Sexta, 24 de Maio de 2019
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)