Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

19/09/2006 21:01

TRE estabelece normas e punições para "boca-de-urna"

TRE/MS

O Corregedor-Regional da Justiça Eleitoral de Mato Grosso Do Sul, Des. Oswaldo Rodrigues de Melo, no uso da competência, baixou a Portaria nº 06/2006, referente à chamada propaganda “BOCA DE URNA” . Está disciplinado que constitui crime eleitoral: reter título eleitoral contra a vontade do eleitor; promover nas proximidades das seções desordem que prejudique os trabalhos eleitorais; impedir ou embaraçar o exercício do sufrágio; exercer, no dia da eleição, qualquer forma de aliciamento, uso de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar ou não votar, em determinado candidato ou partido, ainda que os fins visados não sejam conseguidos; votar ou tentar votar mais de uma vez, ou em lugar de outrem.

Dentre outras pontos da Portaria, também ficou disciplinado que está terminantemente proibida a venda de bebidas alcoólicas, das 3h às 19h do dia 01.10.06, em bares, lanchonetes, restaurantes e congêneres, sob pena de sanções legais.

Confira abaixo a Portaria na íntegra.

PORTARIA Nº 06/2006-CRE

O CORREGEDOR-REGIONAL DA JUSTIÇA ELEITORAL DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL , Des. Oswaldo Rodrigues de Melo, no uso da competência que lhe atribui o art. 27, incisos I e X do Regimento Interno deste Tribunal Regional Eleitoral, e visando velar pela fiel execução do Código Eleitoral, da Lei nº 9.504/97 e da Resolução TSE nº 22.261/2006, no que diz respeito à aplicação das vedações neles estabelecidas, sob cominação penal à chamada propaganda “BOCA DE URNA” ,

RESOLVE:

Art. 1º. É VEDADO, no dia do pleito :

I – a aglomeração de pessoas portando propaganda no próprio vestuário, bandeira, flâmula ou adesivos de modo a caracterizar manifestação coletiva, com ou sem utilização de veículos, durante todo o dia da votação, em qualquer local público ou aberto ao público;

II – aos servidores da Justiça Eleitoral, aos mesários e aos escrutinadores, o uso de vestuário ou objeto que contenha qualquer propaganda de partido político, coligação ou candidato, no recinto das seções eleitorais e juntas apuradoras;

Parágrafo único. Permanece vedada, no dia da eleição, a confecção, utilização, distribuição por comitê, candidato, ou com a sua autorização, de camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros bens ou materiais que possam proporcionar vantagem ao eleitor.

Art. 2º. Comete o crime de “compra de voto”, punível com reclusão de até quatro anos e pagamento de 5 a 15 dias-multa, o candidato , ou alguém por ele, que dá, oferece ou promete dinheiro, dádiva ou qualquer outra vantagem, para obter voto, ainda que a oferta não seja aceita (Art. 299, do Código Eleitoral).

Art. 3º. Comete o crime de “venda de voto”, punível com reclusão de até quatro anos e pagamento de 5 a 15 dias-multa, o eleitor que solicita ou recebe, de candidato ou alguém por ele, dinheiro, dádiva ou qualquer outra vantagem, para dar o seu voto (Art. 299, do Código Eleitoral).

Art. 4º. Constitui crime eleitoral a realização de transporte de eleitores desde o dia anterior até o posterior à eleição, salvo:

a) a serviço da Justiça Eleitoral;

b) coletivos de linhas regulares e não fretados;

c) de uso individual do proprietário, para o exercício do próprio voto e dos membros de sua família;

d) o serviço normal, sem finalidade eleitoral, de veículos de aluguel;

Art. 5º. Constitui crime eleitoral o fornecimento de transporte ou refeições aos eleitores da zona urbana pelos candidatos, órgãos partidários ou por qualquer pessoa.

Art. 6º. Constituem crimes, no dia da eleição, puníveis com detenção de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, com a alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período e multa no valor de R$ 5.320,50 a R$ 15.961,50:

a) o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício ou carreata;

b) a arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna;

c) a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos, mediante publicação de cartazes, camisas, bonés, broches ou dísticos em vestuário;

Art. 7º. Constitui crime eleitoral:

a) reter título eleitoral contra a vontade do eleitor;

b) promover nas proximidades das seções desordem que prejudique os trabalhos eleitorais;

c) impedir ou embaraçar o exercício do sufrágio;

d) exercer, no dia da eleição, qualquer forma de aliciamento, uso de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar ou não votar, em determinado candidato ou partido, ainda que os fins visados não sejam conseguidos;

e) votar ou tentar votar mais de uma vez, ou em lugar de outrem.

Art. 8º. Ao presidente da mesa receptora de votos e ao juiz eleitoral cabe a polícia dos trabalhos eleitorais, nos seguintes termos:

a) somente podem permanecer no recinto da mesa receptora de votos os seus membros, os candidatos, um fiscal e um delegado de cada partido ou coligação e, durante o tempo necessário à votação, o eleitor;

b) o presidente da mesa que é, durante os trabalhos, a autoridade superior, fará retirar do recinto ou do edifício quem não guardar a ordem e composturas devidas e estiver praticando qualquer ato atentatório à liberdade eleitoral;

c) nenhuma autoridade estranha à mesa poderá intervir em seu funcionamento, sobre pretexto algum, salvo o juiz eleitoral;

d) o presidente da mesa dispensará especial atenção à identificação de cada eleitor, que mesmo sem apresentação do título poderá votar, desde que portando documento oficial com foto que comprove sua identidade.

Art. 9º. Fica terminantemente proibida a venda de bebidas alcoólicas, das 3h às 19h do dia 01.10.06, em bares, lanchonetes, restaurantes e congêneres, sob pena das sanções legais.

Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, devendo receber a mais ampla e geral publicidade, remetendo-se cópias às coligações, partidos políticos, juízes e promotores eleitorais do Estado e polícias Federal, Militar, Civil e Rodoviária.

P. R. Cumpra-se.

Campo Grande, MS, 15 de setembro de 2006.

Des. Oswaldo Rodrigues de Melo
Corregedor Regional da Justiça Eleitoral

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)