Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/08/2006 14:29

Transporte:Questionada no STF norma do Estatuto do Idoso

STF

A Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU) propôs no Supremo Tribunal Federal (STF) Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 3768), onde questiona a quem compete garantir a passagem gratuita aos maiores de 65 anos.

A ação é contra a interpretação do artigo 39 do Estatuto do Idoso, que garante aos maiores de 65 anos a isenção de passagem no transporte coletivo urbano. A associação sustenta que o objetivo da ação é desvendar os limites e possibilidades de aplicação da norma que diz respeito às permissões e concessões. Alega que o dispositivo do estatudo violaria os artigos 37, XXI, 175 e 195, parágrafo 5º da Contituição Federal.

O argumento da entidade é de que ao elaborar a lei, o constituinte atribuiu aos municípios o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem estar, garantindo o direito a vida e a gratuidade nos transportes coletivos urbanos. No entanto, questiona a associação, o ônus da gratuidade não é assumido pelos municípios e sim pelas empresas de transporte urbanos o que causa "elevação de custos, diminuição da receita e quebra do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de permissão ou concessão".

A associação esclarece que não se opõe ao benefício da gratuidade no transporte coletivo, mas apenas a interpretação dada quanto a quem pertence a responsabilidade de arcar com os custos. "Como o direito dos maiores de 65 anos à gratuidade deve ser implementado pelo município e não diretamente pelas permissionárias e concessionárias, então a gratuidade não pode ser imposta ás empresas sem que haja previsão normativa de compensação para perda de receitas", defende.

A entidade pede a aplicação do rito estabelecido no artigo 12 da Lei 9868/99 para que o mérito da ADI seja julgado diretamente pelo Plenário, considerando a relevância do assunto discutido.

No mérito, pede a inconstitucionalidade do artigo 39 do Estatuto do Idoso por violar os artigos 37, XXI, 175 e 195, parágrafo 5º da Contituição Federal, bem como a incidência do preceito ao transporte coletivo urbano prestado no regime de permissão ou concessão enquanto não se elabore norma federal específica para instituir o mecanismo de compensação da gratuidade. A ministra Cármen Lúcia é a relatora da ADI.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)