Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

31/03/2005 11:04

Transporte coletivo nas rodovias federais é da União

STJ

Em votação unânime, os ministros da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entenderam que o transporte coletivo de passageiros nas rodovias federais é um serviço público, competindo à União explorá-lo diretamente ou outorgar sua execução. Com a decisão, a Turma considerou não ser lícita a execução do serviço de transporte coletivo pela empresa Expresso Princesa dos Campos S/A no sul do País.

A empresa ajuizou uma ação cautelar, sucedida de ação declaratória, contra a União visando à anulação de atos punitivos (multas, advertência e apreensão de veículos da empresa) e o reconhecimento do seu direito de continuar prestando o serviço público de transporte de passageiros nas linhas que já vem desenvolvendo esta atividade, até que sobrevenha licitação para este fim.

O juízo de 1º grau, apreciando simultaneamente a cautelar e a ação principal, julgou procedente o pedido, assegurando à empresa a exploração da linha de transporte até que o Poder Público promova a licitação. Foram anulados, ainda, os autos de infração e as respectivas multas aplicadas em decorrência da exploração da referida linha.

A empresa e o Departamento Nacional de Estradas e Rodagem (DNER) apelaram. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (RS) deu parcial provimento à apelação da empresa para suprimir da sentença a condição consistente no eventual indeferimento do pedido de abertura de licitação, formulado na via administrativa. Quanto ao recurso do DNER, foi indeferido.

"Comprovado que a autora opera no transporte coletivo interestadual, pela via rodoviária, há mais de oito anos, e que atende a inúmeras comunidades com a linha que executa, em mais de um estado da Federação, em itinerário que não coincide com o de nenhum permissionário ou de serviço de transporte interestadual, é de ser reconhecido o direito de dar continuidade à execução do serviço, enquanto permanecer inerte o Poder Público na realização de licitação para outorga a particulares do trecho percorrido ou outro equivalente", decidiu.

Inconformada, a União recorreu ao STJ. Ao decidir, o relator do processo, ministro Luiz Fux, considerou que o transporte coletivo de passageiros nas rodovias federais é um serviço público, competindo à União explorá-lo diretamente ou outorgar sua execução, mediante autorização, concessão ou permissão a teor do que dispõe o artigo 21 e o artigo 175 da Constituição Federal, conforme conveniência e necessidade.

"A implantação de nova linha de transporte, bem como qualquer alteração referente à linha ou à prestação do serviço por empresa de ônibus deverá ser precedida de licitação. É inaplicável o artigo 42 da Lei 8987/95 aos casos em que o transporte originariamente efetivado não tem lastro legislativo, posto ser concedido a título precário, com prazo vencido ou indeterminado, senão outorgado sem forma ou figura de direito público", afirmou o ministro.

O ministro Fux salientou, também, que ao Poder Judiciário é interditada a intervenção no mérito do ato administrativo, a fim de legitimar situação contrária ao ordenamento jurídico. "Ademais, como é cediço, a análise da conveniência e oportunidade de realização de procedimento licitatório é prerrogativa da Administração Pública, cabendo exclusivamente a ela a definição acerca do momento de sua realização. Desta forma, inexistindo título que outorgue a prestação do serviço público, não é lícita sua execução pelo particular", disse.

Cristine Genú

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Novembro de 2017
Domingo, 19 de Novembro de 2017
11:00
Mundo Fitness
Sábado, 18 de Novembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sexta, 17 de Novembro de 2017
19:49
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)