Cassilândia, Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

20/08/2014 15:39

Traficante não reconhece policial, oferece droga a ele, fala nomes e acaba presa

Bruna Girotto

L. S. A., 27 anos, foi presa por tráfico de drogas, ameaça, desobediência e resistência na noite de ontem (19) no Balmont em Cassilândia (MS).

Conforme boletim de ocorrência, o investigador Figueiró, Policial Civil, com carro descaracterizado, realizava diligência para descobrir o furto da residência no Jardim Oliveira.

Ao passar pelo Balmont, a suspeita chamou o investigador Figueiró de primo e ofereceu entorpecente.

No boletim, Figueiró narra o ocorrido: "Que diante da surpresa pelo não reconhecimento da autora a minha pessoa como policial, prontamente disse que queria, e a mesma veio a entrar em meu veículo, onde a autora me disse que a pessoa conhecida por (nome não será escrito para não atrapalhar investigação), teria acabado de levar entorpecente crack para ela".

A suspeita disse ao policial que era só ela ligar que teria os contatos.

O investigador, passando por usuário, solicitou que a suspeita pedisse o entorpecente, momento em que ela ligou para o vendedor de entorpecente, porém a ligação deu ocupada.

Em seguida, a suspeita disse que ligaria para uma mulher. Esta, porém, não atendeu.

Por último, a mulher tentou falar com (nome não será escrito para não atrapalhar investigação). Ela disse que ele também teria grande quantidade de substancia de crack e "estaria bem louco".

O investigador Figueiró, então, ligou para o Policial Militar Leandro, que estava de serviço com a Sgt Lucimeire e pediu que o veículo onde ele estava com a suspeita fosse abordado, para que a droga fosse encontrada com ela.

No momento da abordagem, a mulher conseguiu jogar o pedaço da substância análoga a crack próximo aos pés da Sgt Lucimeire, passando por despercebido.

Após a guarnição da PM liberar a suspeita e o investigador, ela disse que iria urinar, abaixando próximo ao veiculo e entrando em seguida no carro, dando risada e dizendo: "Cambada de m..., nunca vão por a mão em mim. Viu, joguei perto deles e eles nem viram".

O investigador, não acreditando no ocorrido, riu junto com a suspeita e pediu para ver o entorpecente. Quando confirmado que a pedra de crack estava mesmo com ela.

O policial civil dirigiu até o bairro Izanópolis. Lá, a suspeita disse ter pessoas que estariam vendendo. Inclusive seu filho estaria vendendo entorpecente naquela região.

Figueiró ligou novamente para a guarnição da PM e solicitou apoio perto de um supermercado.

Neste momento, Figueiró se identificou como Policial e pediu o entorpecente. A mulher investiu contra Figueiró, entrando em luta corporal e tentando pisar na pedra de crack, para que fosse destruída.

Com a chegada da PM, foram necessárias duas pessoas para conter a fúria da mulher, que se debatia e tentava a todo custo atingir os policiais.

Ela fora conduzida para a delegacia, e no momento que foi retirada a algema, ela correu pela delegacia até a cela, batendo na grade e gritando com as presas.

A mulher ainda disse em bom tom que tinha família, que o investigador Figueiró era um verme e ela já tinha um homicídio. Que era para Figueiró ter cuidado, pois a família dela iria à delegacia.

A suspeita foi colocada na cela, se debatendo e se arranhando dizendo que iria ferrar com a vida do Figueiró.

A mulher é evadida do sistema prisional de São Gabriel, tendo passagens por furto, lesão corporal, homicídio, dano, vias de fato, violação de domicílio entre outros.

Para conduzir a mulher até a cela, foram necessários dois policias, inclusive sendo necessário algemar a mulher novamente, devido o seu descontrole total.

As informações são da Polícia Civil de Cassilândia.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 22 de Fevereiro de 2017
Terça, 21 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)