Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

11/05/2016 16:00

Tomar remédio vencido faz mal?

Drauzio Varella

TOMAR REMÉDIO VENCIDO FAZ MAL?
Maria Helena Varella Bruna A+a-
Imprimir
Manter em casa um pequeno estoque de medicamentos e um kit básico para curativos pode fazer toda a diferença em algumas situações. Imagine que a pessoa não consegue dormir por causa da dor de cabeça depois de um dia exaustivo de trabalho, ou que a azia não lhe dá sossego ou, ainda, que acordou no meio da noite, ardendo em febre. Nessas horas, ter à mão um analgésico, um antitérmico ou um antiácido pode representar uma solução rápida para alívio da dor e do mal-estar.

Ninguém discorda de que pode ser útil ter em casa alguns remédios considerados de baixo-risco para usar em situações de emergência. O inconveniente é que a farmácia caseira costuma ser um estímulo para a prática perigosa da automedicação. Ao primeiro sinal de dor, indisposição ou mal-estar, o mais comum é a pessoa recorrer a um medicamento conhecido, que está guardado em sua farmacinha particular faz tempo, mesmo que possa ser pouco indicado para aquele caso, ou esteja com o prazo de validade vencido, o que muita gente nem se lembra de levar em consideração no momento da crise.

Tomar um remédio com ação sintomática, de vez em quando, não representa nenhum problema. A questão muda de figura quando não são respeitadas as condições ideais para armazenamento, manuseio e transporte, nem o prazo de validade dos produtos. Da mesma forma, o uso contínuo e indiscriminado de medicamentos, aparentemente inofensivos, pode ser prejudicial à saúde, uma vez que pode mascarar o quadro, retardar o diagnóstico e comprometer o tratamento.

Como já dizia Paracelso, médico e alquimista que viveu entre 1493 e 1541, em pleno século 16, portanto, a diferença entre o remédio e o veneno está apenas na dose.

Prazo de validade dos medicamentos

De acordo com determinação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), órgão vinculado ao Ministério da Saúde, todos os fabricantes são obrigados a estampar nas embalagens, as datas de fabricação (mês e ano) e de validade (mês e ano), assim como o número do lote do medicamento, seja ele controlado ou de venda livre sem apresentação de receita médica.

Essa data-limite para utilização do produto é definida pela própria indústria farmacêutica, com base em testes específicos realizados sob rigoroso controle, para avaliar a estabilidade dos elementos ativos que constam da fórmula. Portanto, ela funciona como um fator de referência, que indica o fim do período de vida útil do medicamento. Ou seja, depois daquela data os laboratórios não mais garantem a capacidade de o produto preservar a potência, eficácia, e segurança.

Considerando que a potência de uma droga começa a cair lentamente assim que é fabricada, está estabelecido que, mantidas as condições ideais de transporte, manuseio, armazenamento e a integridade da embalagem, a data de expiração do prazo de validade de um fármaco é determinada pelo tempo que o princípio ativo leva para perder 10% de sua potência e eficácia original.

Está claro que isso não acontece de uma hora para outra. A efetividade de uma droga vai diminuindo lentamente com o tempo. No entanto, segundo estudos sobre a data de validade das drogas, realizados pelo Food and Drug Administration a pedido dos militares americanos (que eram obrigados a descartar e repor um caríssimo estoque de medicamentos todos os anos), muitos dos produtos investigados conservaram suas condições de uso para além da data de validade definida pelo fabricante. Esses dados foram comentados no site oficial da Harvard Medical School.

A pergunta é: o que pode acontecer se a pessoa tomar um medicamento vencido?

Nesse caso, é preciso considerar duas condições.

Primeira: é sabido que os medicamentos vão perdendo a estabilidade lentamente a partir da data de fabricação, mas que o processo pode levar anos.

Segunda: a data final do prazo de validade é estabelecida pela indústria farmacêutica como forma de atestar que o produto mantém as características de eficácia e segurança até aquele mês e ano, desde que tenha seguido à risca as orientações sobre a melhor forma de armazenar o produto. Depois dessa data, os fabricantes estão dispensados de continuar os testes sobre a estabilidade das substâncias que compõem o medicamento.

Portanto, se a dor de cabeça está tirando sua alegria de viver e você decidiu tomar um analgésico com data de validade vencida há dois ou três dias, talvez a única consequência seja que você vai ter de esperar mais um pouco pelo efeito, uma vez que o medicamento já pode ter perdido parte de sua eficácia.

Agora, se for um remédio de uso contínuo, como os indicados para controle de doenças crônicas (por exemplo a hipertensão e o diabetes), um antibiótico para o tratamento de infecções, ou seja, drogas que perdendo a eficácia podem pôr a vida em perigo, o bom-senso manda não arriscar. O melhor é providenciar um novo medicamento que esteja dentro do prazo de validade e não abusar da sorte.

Descarte de medicamentos vencidos – Logística reversa

A farmácia caseira não pode ser um depósito aleatório de medicamentos armazenados sem nenhum critério e cuidado. Também não deve acumular sobras de remédios que não foram totalmente utilizados, nem frascos com restos de xaropes, colírios, gotas nasais ou para aplicar no ouvido (orelha), ou de suspensões e soluções injetáveis. Sob a forma líquida de apresentação, os medicamentos são sempre mais instáveis do que no estado sólido e têm prazo de validade encurtado, especialmente se a embalagem original tiver sido aberta ou violada.

Sempre vale repetir que remédios devem ser guardados fora do alcance das crianças e longe da umidade, do calor e da exposição solar. Além disso, é fundamental que, periodicamente, sejam descartados os produtos com prazo de validade vencido ou em desuso há muito tempo.

Nessa tarefa é preciso redobrar os cuidados. Nada de jogar os remédios no lixo comum da residência, no ralo da pia ou no vaso sanitário, porque os medicamentos possuem substâncias químicas que podem contaminar a água e o solo. Remédios vencidos e restos de medicamento que não serão mais utilizados devem ser levados até um ponto de coleta credenciado pela Anvisa, em geral, uma farmácia ou drogaria nas proximidades da residência. Esse processo de os medicamentos vencidos retornarem às farmácias a fim de que tenham a destinação final adequada é chamado de logística reversa.

Caso não exista um ponto de coleta na sua região, o recurso é entrar em contato com uma Unidade Básica de Saúde para saber como realizar o descarte seguro desses medicamentos sem prejuízo para o meio ambiente.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 11 de Dezembro de 2016
06:04
Fotogaleria
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)