Cassilândia, Domingo, 19 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

09/01/2015 07:06

TJMS nega manutenção de posse de imóvel doado

TJMS

Em sessão realizada no dia 16 de dezembro, os desembargadores da 1ª Câmara Cível, por unanimidade, negaram provimento à apelação interposta por L.V. dos S. e outros, inconformados com a sentença que julgou improcedente o pedido apresentado na ação de manutenção de posse movida em face de V. de O.

Relatam, primeiramente, que propuseram a ação sob o argumento de que possuem a posse legítima do imóvel em questão, sendo que este foi adquirido por doação em 1982 pelo pai dos requerentes. Afirmam, ainda, que sempre residiram no imóvel, o que restou confirmado pelas testemunhas ouvidas nos autos. Também alegam que, ao contrário do que afirmou o magistrado que julgou improcedente a ação, estão preenchidos os requisitos constantes nos artigos 926 e 927, e incisos, do CPC, não podendo o apelado perturbar a posse dos apelantes, ainda que baseada em direito de propriedade. Por fim, requerem o provimento do recurso, para que seja reformada a sentença, a fim de que sejam mantidos na posse do imóvel.

Em seu voto, o relator do recurso, Des. Divoncir Schreiner Maran, verificou que os autores, ora apelantes, não demonstraram a presença dos requisitos previstos no artigo mencionado, em especial, a posse anterior e a prática de esbulho pelo réu. Para o desembargador, as provas testemunhais não se demonstraram seguras e induvidosas acerca da posse dos autores, concordando, assim, com a conclusão do julgador de primeiro grau, que disse, “a meu ver, os documentos juntados na inicial e as testemunhas ouvidas em juízo não comprovam a posse exercida pelos requerentes, nem o esbulho praticado pelo réu que também é legítimo proprietário, fato este não negado pelos autores, porém ainda se discute acerca da validade do negócio jurídico realizado pelo réu e o genitor dos autores”.

O relator concluiu que a prova dos autos não se mostra suficiente a amparar a tese dos apelantes e propiciar o acolhimento da manutenção de posse. “Portanto, não resta alternativa, senão a improcedência da ação, em razão de os autores não terem se desincumbido a contento do dever que lhes cabia, de comprovar sua posse e o esbulho praticado pelo réu. Face ao exposto, nego provimento ao recurso, mantendo a sentença”.

O voto foi acompanhado, por unanimidade, pelos demais membros da 1ª Câmara Cível, que negaram provimento ao recurso de apelação, mantendo assim a decisão proferida em primeiro grau.

 

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação - imprensa@tjms.jus.br

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Sexta, 17 de Fevereiro de 2017
20:33
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)