Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

31/08/2007 05:38

TJMS nega liberdade para servidor acusado de concussão

TJMS

Por unanimidade, os componentes da 1ª Turma Criminal denegaram, na sessão desta terça-feira (28), habeas corpus que pedia a liberdade ou a prisão domiciliar de A.C. de F., agente tributário estadual, preso em flagrante no início de agosto em Sonora, acusado de concussão (at. 316 do Código Penal).

Em sustentação oral, a defesa alegou que o decreto de prisão preventiva apoiou-se em dois fundamentos para justificar o decreto: o paciente deve ficar preso como garantia da ordem pública e fundamenta-se em que o crime teria ocorrido em mais de uma vez. “Ora, o réu está denunciado pela prática do delito na forma do concurso material. É bastante óbvio que esse fundamento, por si só, não justificaria o decreto prisional, tratando – como é óbvio - de uma invencionice para aparentar uma justificativa a um decreto de prisão que não tem fundamento algum. A ordem pública não sofreria lesões ou ameaças pelo fato de ter ocorrido um crime em concurso material, constatando-se que existe apenas uma denúncia e o fato jurídico que interessa ao direito penal se apresenta como uno. A fundamentação buscada sob esse argumento é inconsistente”, disse o advogado.

Em seu voto, o Des. João Batista da Costa Marques, relator dos autos nº 2007.023209-3, lembrou das informações prestadas pela autoridade coatora: a prisão em flagrante se deu após denúncia de que o paciente, agente fazendário, estava exigindo quantias em dinheiros para que não procedesse fiscalização do estabelecimento comercial das vítimas. No dia da prisão, o paciente foi flagrado recebendo certa quantia em dinheiro, pessoalmente, dentro do estabelecimento de uma das vítimas. Mister que se esclareça ainda que não é verdade a afirmação de que o paciente não teria condições de permanecer no local, pois o paciente, diferentemente dos presos comuns, tem acesso – mediante pedido – ao banheiro utilizado pelos próprios policiais. Diante disso, constata-se que não há nulidade no auto de prisão em flagrante.

E, completando, o relator decretou: “Lendo atentamente as informações colacionadas pelo juiz, reitero-as nos exatos termos lide a mantença da segregação do paciente, preso em fragrante em situação que não podia negar os fatos ocorridos, sendo necessária sua segregação até a completa elucidação do episódio. (...) Vejo que a manutenção do cárcere passa a ser necessária como garantia de que o agente não se furtará à aplicação da lei penal, não dificultará a produção de provas e principalmente para a garantia da ordem pública”.

Fatos - Na época da prisão, a imprensa divulgou que o chefe da Agência Fazendária de Sonora teria sido detido às 20 h, no dia 3 de agosto, em flagrante, quando estaria recebendo propina de um comerciante local. O agente tributário teria sido denunciado por dois comerciantes de Sonora, que foram procurados pelo servidor público e teriam alegado ter sofrido extorsão.

O comerciante teria contado que o agente teria pedido R$ 5 mil, mas depois teria baixado o valor para prestações semanais de R$ 500. O denunciante teria procurado a delegacia e os policiais para preparar mecanismos que permitisse a prisão em flagrante do acusado.

Autoria do Texto:Secretaria de Comunicação Social

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)