Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

31/08/2007 05:38

TJMS nega liberdade para servidor acusado de concussão

TJMS

Por unanimidade, os componentes da 1ª Turma Criminal denegaram, na sessão desta terça-feira (28), habeas corpus que pedia a liberdade ou a prisão domiciliar de A.C. de F., agente tributário estadual, preso em flagrante no início de agosto em Sonora, acusado de concussão (at. 316 do Código Penal).

Em sustentação oral, a defesa alegou que o decreto de prisão preventiva apoiou-se em dois fundamentos para justificar o decreto: o paciente deve ficar preso como garantia da ordem pública e fundamenta-se em que o crime teria ocorrido em mais de uma vez. “Ora, o réu está denunciado pela prática do delito na forma do concurso material. É bastante óbvio que esse fundamento, por si só, não justificaria o decreto prisional, tratando – como é óbvio - de uma invencionice para aparentar uma justificativa a um decreto de prisão que não tem fundamento algum. A ordem pública não sofreria lesões ou ameaças pelo fato de ter ocorrido um crime em concurso material, constatando-se que existe apenas uma denúncia e o fato jurídico que interessa ao direito penal se apresenta como uno. A fundamentação buscada sob esse argumento é inconsistente”, disse o advogado.

Em seu voto, o Des. João Batista da Costa Marques, relator dos autos nº 2007.023209-3, lembrou das informações prestadas pela autoridade coatora: a prisão em flagrante se deu após denúncia de que o paciente, agente fazendário, estava exigindo quantias em dinheiros para que não procedesse fiscalização do estabelecimento comercial das vítimas. No dia da prisão, o paciente foi flagrado recebendo certa quantia em dinheiro, pessoalmente, dentro do estabelecimento de uma das vítimas. Mister que se esclareça ainda que não é verdade a afirmação de que o paciente não teria condições de permanecer no local, pois o paciente, diferentemente dos presos comuns, tem acesso – mediante pedido – ao banheiro utilizado pelos próprios policiais. Diante disso, constata-se que não há nulidade no auto de prisão em flagrante.

E, completando, o relator decretou: “Lendo atentamente as informações colacionadas pelo juiz, reitero-as nos exatos termos lide a mantença da segregação do paciente, preso em fragrante em situação que não podia negar os fatos ocorridos, sendo necessária sua segregação até a completa elucidação do episódio. (...) Vejo que a manutenção do cárcere passa a ser necessária como garantia de que o agente não se furtará à aplicação da lei penal, não dificultará a produção de provas e principalmente para a garantia da ordem pública”.

Fatos - Na época da prisão, a imprensa divulgou que o chefe da Agência Fazendária de Sonora teria sido detido às 20 h, no dia 3 de agosto, em flagrante, quando estaria recebendo propina de um comerciante local. O agente tributário teria sido denunciado por dois comerciantes de Sonora, que foram procurados pelo servidor público e teriam alegado ter sofrido extorsão.

O comerciante teria contado que o agente teria pedido R$ 5 mil, mas depois teria baixado o valor para prestações semanais de R$ 500. O denunciante teria procurado a delegacia e os policiais para preparar mecanismos que permitisse a prisão em flagrante do acusado.

Autoria do Texto:Secretaria de Comunicação Social

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)