Cassilândia, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

22/06/2015 18:23

TJMS mantém condenação e altera regime prisional

TJMS

Os desembargadores da 1ª Câmara Criminal, por unanimidade, deram parcial provimento a recurso interposto por A.L.B.deO. contra sentença que o condenou a um ano e oito meses de reclusão, no regime fechado, e ao pagamento de 166 dias-multa, pela prática do delito de tráfico de drogas, capitulado no art. 33, "caput", da Lei nº 11.343/06.

Consta dos autos que em junho de 2014, em Bataguassu (MS), A.L.B.deO. trazia consigo cinco gramas de crack para venda, em desacordo com determinação legal. Em fiscalização de rotina, policiais militares avistaram-no nas proximidades da Padaria Miron.

Como demonstrou nervosismo ao perceber a presença da guarnição e tentou fugir de bicicleta, foi revistado e os policiais encontraram em seu bolso oito trouxinhas de crack, R$ 100 e um aparelho celular. A.L.B.deO. confessou a prática de tráfico e contou que havia vendido duas trouxinhas naquela noite, e quatro na anterior.

Pediu a absolvição por insuficiência de prova e, subsidiariamente, a desclassificação do delito previsto no art. 33, caput, para o art. 28, da Lei nº 11.343/06, que prevê a posse drogas para consumo próprio, bem como a alteração do regime inicial de cumprimento da pena e a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos.

O Ministério Público e a Procuradoria-Geral de Justiça opinaram pelo improvimento do recurso e manutenção da sentença.

A relatora do processo, Desª. Maria Isabel de Matos Rocha, explica que o crime de tráfico de drogas, além de ser de ação múltipla e de conteúdo variado, é de mera conduta, bastando que o agente pratique qualquer uma das condutas descritas no art. 33 da Lei nº 11.343/2006 para que o delito seja evidenciado.

Quanto à insuficiência de provas, a relatora aponta que a autoria delitiva está demonstrada pela confissão do réu, tanto na delegacia quanto em juízo, e pela prova testemunhal, logo, não há que se falar em insuficiência de provas, sendo incabível a absolvição pleiteada. O apelante, além de usuário, comercializava substância entorpecente, assim, não há que se falar desclassificação da conduta.

O juiz de primeiro grau fixou a pena privativa de liberdade em um ano e oito meses de reclusão, pena inferior a quatro anos, o que autoriza a fixação do regime menos severo que o fechado. No entender da desembargadora, cabe a aplicação de regime prisional aberto e também a substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direitos.

Nesses casos, ressalta a relatora, a pena imposta é inferior a quatro anos de reclusão, o apelante não é reincidente, ostenta bons antecedentes e não pesa em seu desfavor nenhuma das circunstâncias do art. 59, do CP, logo, cabe aplicar a substituição da pena privativa de liberdade pela restritiva de direitos.

“Ante o exposto, em parte contra o parecer, dou parcial provimento ao recurso interposto por A.L.B.deO., apenas para fixar o regime inicial de cumprimento da pena no aberto e substituir a pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, incumbindo ao juiz da Vara de Execuções Penais estabelecer as condições de cumprimento”.

Processo nº 0001614-64.2014.8.12.0026

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação Social - imprensa@tjms.jus.br

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)