Cassilândia, Quinta-feira, 29 de Junho de 2017

Últimas Notícias

19/05/2008 19:19

TJMS deixa de aplicar pena por crime de roubo de R$ 105

TJMS

A seção criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul deferiu a revisão criminal de RMM e deixou de aplicar pena ao crime de roubo seguindo uma tendência inédita no órgão, observando o princípio da bagatela imprópria ou da insignificância.

RMM foi condenado à pena de 5 anos de reclusão em regime semi-aberto e ao pagamento de 11 dias-multa, pelo crime de roubo de R$ 105,00, cometido em 21 de agosto de 2002, no Jardim Américo, em Campo Grande. A vítima, o taxista Wantuir Malaquias da Silva, passava pelo centro da cidade quando foi parado por RMM e anunciado o assalto, com a mão embaixo da camiseta, simulando um revólver. Em função da pena recebida ingressou com a revisão criminal 2008.002829-1 no TJMS.

Em sessão realizada, hoje (19), foi amplamente debatida a tese do relator, Des. Romero Osme Dias Lopes, e foi deferida a revisão. Em julgamento apertado com dois dos cinco votantes contra, e ainda, contra o parecer do Ministério Público. Tal princípio da bagatela impróprio ou da insignificância expõe que verificada a incidência da pena no caso concreto apresenta-se totalmente desnecessária. O fundamento do princípio da bagatela imprópria ou da insignificância reside em alguns fatores como no ínfimo desvalor da culpabilidade, ausência de antecedentes criminais, reparação dos danos, reconhecimento da culpa ou a colaboração com a justiça.

No crime debatido, da data dos fatos passaram-se mais de 5 anos, e tendo acontecido nesse período várias situações positivas, dentre elas, a total recuperação do requerente do vício em drogas. RMM alegou na Revisão Criminal que, na época, cometeu o roubo para sustentar o vício e hoje encontra-se totalmente curado. Aliás, RMM é voluntário no CADEF – Casa de Apoio a Dependentes e Familiares, voltado a orientações aos familiares e dependentes de drogas.

Além do mais, a grave ameaça do crime de roubo foi mínima, posto que colocou a mão pela camiseta, simulando uma arma de fogo. Somado a isso, é primário e de bons antecedentes, além de que o valor subtraído representa metade do salário mínimo, na época do fatos para o tamanho da condenação, de 5 anos. Assim, os desembargadores deixaram de aplicar a pena em observância aos princípios da irrelevância penal do fato e da necessidade de aplicação concreta da pena.

Autoria do Texto:Secretaria de Comunicação Institucional

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 29 de Junho de 2017
Quarta, 28 de Junho de 2017
10:00
Receita do Dia
Terça, 27 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)