Cassilândia, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

22/08/2007 14:24

TJ/MS pára de repassar dinheiro de custas a entidades

Maristela Brunetto - Campo Grande News

A decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de meados de junho que considerou ilegal dinheiro de custas judiciais e procedimentos de cartórios parar na conta de um grupo seleto de entidades representando advogados e altos servidores passa a ser cumprida somente a partir de hoje pelo Tribunal de Justiça. Provimento assinado pelo corregedor do TJ, desembargador Divoncir Schreiner Maran, determinou o fim da cobrança da chamada tabela J, que contém percentuais e a lista das 11 entidades favorecidas.

Essa fonte de receita permitiu que no ano passado associações de juízes, promotores, delegados, servidores da Assembléia e judiciário, procuradores e defensores do Estado, fiscais de renda, cartorários, policiais civis e a Caixa de Assistência dos Advogados recebessem R$ 1,1 milhão. Muitas destas entidades representam servidores que estão entre as maiores remunerações no funcionalismo. O maior filão ficava com a entidade dos advogados, que no ano passado recebeu R$ 714 mil.

A origem da cobrança é a mesma que atualmente gera uma guerra entre deputados na Assembléia Legislativa em torno de um fundo para aparelhar a Defensoria: a cobrança do contribuinte por serviços ligados à Justiça. O TJ garante que agora, com o fim da chamada tabela J, serviços devem ficar mais baratos. Para atender as entidades, eram cobrados valores de R$ 10,89 a R$ 47 por procedimento, segundo divulgou o tribunal.

O STF considerou que o repasse era ilegal porque as entidades beneficiadas não eram de públicas. A cobrança sobre custas só tem previsão para aparelhar a Justiça. É o ponto onde há polêmica na lei sobre a Defensoria. O Judiciário do Estado já recebe dinheiro do contribuinte via cartórios e custas através do chamado Funjecc (um fundo para estruturação), caminho que agora a Defensoria quer seguir.

Retroatividade- A decisão do STF veio em resultado de ação direta de inconstitucionalidade apresentada pelo Ministério Público Federal contra a lei 1.936, de 1998,que trouxe a tal tabela J. Ainda há um aspecto pendente- o STF vai decidir se as entidades deverão ou não devolver o dinheiro recebido através da lei considerada inconstitucional.

O TJ argumenta que o cumprimento não é tardio, mas antecipado, uma vez que os ministros ainda não decidiram sobre toda a matéria.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Quinta, 21 de Setembro de 2017
10:00
Receita do dia
06:20
Libertadores da América
Quarta, 20 de Setembro de 2017
21:22
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)