Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/01/2013 15:20

TJ livra farmacêutico de ir a júri popular por venda de anabolizante

Campo Grande News/ Aline dos Santos e Nadyenka Castro

O TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Groso do Sul) livrou pela segunda vez o farmacêutico Delcy Lima de Oliveira, 42 anos, de ir a júri popular pela morte do estudante Dario Dibo Nasser Lani. O jovem de 23 anos sofreu infarto e morreu em 13 de abril de 2009, em Campo Grande.

O caso passou a ser investigado alguns dias depois, a pedido da família, que encontrou no quarto do jovem frascos com medicamentos clembuterol e T3. Nos frascos de clembuterol, havia o rótulo da farmácia de Delcy.

A partir disso, o farmacêutico passou a ser apontado como o responsável pela morte. Pelo Código Penal, ele foi enquadrado no homicídio com dolo eventual. Ou seja, não houve intenção de matar, mas a pessoa assume o risco pela situação.

Conforme denúncia do MPE (Ministério Público Estadual), o remédio foi preparado com dosagem mil vezes superior à recomendada ao consumo humano, sendo ministrado no Brasil apenas para fins veterinários.

O farmacêutico foi mandado a júri pela primeira vez em agosto de 2010. No entanto, o TJ anulou e determinou a oitiva de novo depoimento de dois assistentes técnicos, além de depoimento do farmacêutico. Em abril do ano passado, Delcy foi novamente pronunciado para ir a julgamento.

A defesa recorreu ao TJ/MS e a 1ª Câmara Criminal despronunciou o réu, ou seja, ele não vai mais a júri popular. O farmacêutico deverá responder por exercício ilegal da Medicina. A defesa de Delcy alegou que não há materialidade do crime: se foi por causa natural ou homicídio.

Foram elencados pontos como a falta de eletrocardiograma de entrada da vítima no hospital; a não realização do exame cadavérico para apontar se o medicamento vendido pelo réu à vítima foi efetivamente o que causou a morte; e a variedade de substâncias encontradas no quarto da vítima após sua morte.

O farmaceutico nao aviou a receita . Portanto, esta isento de culpa, e se o jovem veio a falecer por haver tomado remedio de cavalo, a culpa e de quem tomou o remedio, e nao de quem o manipulou. Correta, pois, a decisão ....
 
Lazaro Lopes em 24/01/2013 16:24:02
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)