Cassilândia, Quarta-feira, 26 de Abril de 2017

Últimas Notícias

12/08/2004 16:24

TJ decide em favor da família que criou a criança

TJ/MS

A 3ª Turma Cível, em sessão realizada no dia 09.08, deu provimento à Apelação nº 2004.001620-4, interposta por M.M. contra a sentença que determinou a suspensão do poder familiar da apelante até a maioridade da sua filha, devendo neste período o apelado assumir a tutela.
A decisão foi unânime.
Os Desembargadores não aceitaram a defesa apresentada pela apelante, que alegou ter concordado em deixar sua filha aos cuidados da avó materna, mas que com o falecimento desta não se justifica que a menor continue sob os cuidados do apelado, que não possui vínculos de sangue com ela, devendo assim retornar ao convívio de sua família biológica. Para os Magistrados, ficou comprovado que a apelante abandonou a menor aos cuidados da avó e raramente a visitava. Também ficou evidenciado que a apelante tem outros filhos que foram adotados por outras famílias, além do fato de a própria menor ter afirmado que não quer morar com a apelante porque ela lhe obrigava a pedir esmolas na rua.
Ressaltaram ainda que a família na qual a menor foi educada não é a substituta, pois é o lar que ela sempre conheceu, desde o seu nascimento, como família, onde teve afeto e segurança, além de ter identificado no apelado a figura paterna, tanto que o chama de pai e já afirmou em juízo que é com ele que quer morar. Não há, portanto, afronta à lei que diz que a criança e o adolescente somente serão colocados em família substituta depois de esgotados todos os meios de inserção dentro de sua família biológica. Na opinião dos Desembargadores, chamar de família biológica aquela com a qual não se teve convívio familiar pautado no afeto e na segurança é falar de relacionamento com estranhos.
Fatos: F.A.F. ajuizou ação de Destituição de Pátrio Poder c/c tutela contra M.M., mãe da menor I.M, alegando que não possui parentesco com a menor, mas esta se encontra sob seus cuidados há mais de 9 anos, desde que M.M. a entregou para ele. Alegou que convivia com a avó materna da menor, que faleceu em 1997. A sentença retirou o poder familiar de M.M. e deferiu a F.A.F a tutela da menor até que ela complete 18 anos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 26 de Abril de 2017
Terça, 25 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)