Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/03/2007 07:52

TJ anula decisão que absolveu sargento

Tj/GO

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Goiás acompanhou voto do relator, desembargador Aluízio Ataídes de Sousa, e anulou hoje (6) a decisão do juiz Hélio Antônio Crisóstomo de Castro, da Auditoria Militar, que havia absolvido o sargento Sérgio Salustiano Ribeiro, acusado de matar o tenente Euler Deolino Justino Franco e o cabo Clodoaldo Vieira do Nascimento, além de ferir o sargento Antônio José Soares, durante um surto esquizofrênico. Na época, Hélio determinou a internação do sargento, como medida de segurança, por tempo indeterminado (prazo mínimo de três anos), em uma instituição psiquiátrica, enquanto a liberação não fosse averiguada por uma perícia médica. Determinou ainda que Sérgio Salustiano recebesse tratamento de acordo com o Programa de Assistência Integral ao Louco Infrator (PAILI) da Secretaria Estadual de Saúde, além de nomear como curadora sua mulher Olicéia Fernandes da Silva.

Para Aluízio, o juiz auditor não poderia declarar, em decisão monocrática (individual), a inimputabilidade (a quem não se pode imputar crime, inacusável) do réu, uma vez que, a seu ver, compete ao Conselho Permanente de Justiça convocado o julgamento dos crimes militares. Lembrando que a jurisdição militar é mista, sendo composta de juízes civis e militares, Aluízio observou que os conhecimentos jurídicos do juiz-auditor deveriam ser harmonizados com a experiência adquirida na caserna pelo juízes militares. "A competência para declaração de inimputabilidade do acusado é do órgão colegiado, e não apenas do juiz, segundo estabelece a Lei de Organização Judiciária Militar", frisou, citando jurisprudência do Superior Tribunal Militar do Paraná.

Apesar de o laudo pericial da Junta Médica do Tribunal de Justiça de Goiás ter constatado que Sérgio Salustiano sofria de transtorno esquizotípico (que causa anomalias do pensamento e do afeto e se assemelha à esquizofrenia), o Ministério Público de Goiás solicitou na época novo exame pericial e frisou que este deveria ser realizado por médicos e psicólogos indicados pelos conselhos regionais. Entretanto, Hélio considerou que não havia necessidade para a realização de mais um laudo pericial, pois, a seu ver, se fosse custeado pelo assistente de acusação poderia gerar parcialidade. "Os laudos periciais elaborados pela Junta Médica do Poder Judiciário merecem toda a credibilidade, já que conta com profissionais capacitados (psiquiatras e psicólogos), já acostumados a esse tipo de matéria, onde a fundamentação e conclusão do laudo foram baseados também em exames complementares", observou.

Para Hélio, diante da conclusão do laudo, independentemente do clamor público, a inimputabilidade do denunciado ficou demonstrada com clareza. "A imputabilidade é a capacidade de a pessoa entender que o fato é ilícito e de agir de acordo com esse entendimento. Já a inimputabilidade é exatamente o contrário, a incapacidade do acusado de entender o caráter ilícito do fato e determinar-se de acordo com esse entendimento", esclareceu.

Fatos

Segundo o Ministério Público (MP) , em 22 de fevereiro de 2004, por volta das 17 horas, no quartel do 8º Batalhão da Polícia Militar, localizado em Aparecida de Goiânia, o sargento matou os policiais militares Euler Deolindo Justino Franco e Clodoaldo Vieira do Nascimento, além de tentar matar o sargento José Antônio Soares. Conforme o MP-GO, Sérgio Salustiano pegou os policiais de surpresa, o que impossibilitou qualquer defesa por parte das vítimas. Ainda de acordo com os autos, no dia do crime o sargento havia sido escalado como comandante de uma viatura do 8º BPM de Aparecida de Goiânia, quando foi acionado, juntamente com a equipe comandada pelo cabo Clodoaldo Vieira do Nascimento, para atender a uma ocorrência de trânsito, nas proximidades do quartel. Após a diligência e encontrarem o condutor do veículo, as equipes da Polícia Militar encaminharam o caso para a Polícia Rodoviária Federal. Depois disso, os policiais foram informados que um dos indivíduos envolvidos no acidente relatou que sua carteira, contendo documentos pessoais e três cartões de crédito, havia sumido.

Consta ainda dos autos que, por volta das 17 horas, o denunciado foi até o quartel do 8º BPM e encontrou o tenente Euler Deolindo e o cabo Clodoaldo Vieira e que os três se dirigiram a uma sala para conversarem. Em seguida, Sérgio Salustiano, sem motivo aparente e de surpresa, matou ambos com vários disparos de arma de fogo, tendo saído da sala e continuado a atirar na direção de todos os policiais militares que se encontravam no pátio do quartel do 8º BPM. Neste momento, de acordo com o MP, o denunciado atingiu o 1º sargento José Antônio Soares, que se encontrava no pátio do referido batalhão. Após os disparos, o sargento arrombou a porta da sala destinada à reserva de armas do 8º BPM e permaneceu lá até o seu rendimento.

Ementa

A ementa recebeu a seguinte redação: "Apelação Criminal. Justiça Militar. Inimputabilidade. Declaração por Decisão Monocrática. Nulidade. Competência do Conselho Permanente de Justiça. Em se tratando de crime militar, uma vez a denúncia , compete ao Conselho Permanente de justiça convocado, e não ao Juiz-Auditor, declarar a inimputabilidade do réu, impondo-se a declaração de nulidade do ato decisório proferido irregularmente, devolvendo-se os autos ao juízo de origem para regular processualização do feito. Apelo conhecido e provido. Nulidade da Sentença Decretada". Apelação Criminal nº 29827-8/213 (200602412212), de Goiânia. (Myrelle Motta)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)