Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/02/2004 14:16

Suspensão do contrato de trabalho susta depósito do FGTS

TST

A suspensão do contrato de trabalho do empregado que passa a exercer um cargo em comissão, tem como conseqüência a interrupção do recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). “O principal efeito da suspensão do contrato de trabalho é a sustação das obrigações recíprocas das partes”, afirmou o juiz convocado Aloysio Corrêa da Veiga, relator do recurso de revista sobre o tema, que foi afastado (não conhecido) pela Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho.

“O contrato continua vigente mas não há trabalho e nem remuneração. Inexistindo remuneração, não há que se falar em depósitos do FGTS sobre os salários. Dessa forma, o não recolhimento do FGTS durante o tempo em que suspenso o contrato de trabalho, em face do exercício de cargo em comissão, de natureza administrativa, não afronta a legislação trabalhista”, explicou o relator da questão.

Interposto por um ex-servidor da Fundação Superintendência Estadual de Rios e Lagos (Serla), o recurso questionava decisão do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ). O órgão de segundo grau entendeu como improcedente o pedido do trabalhador que pretendia ver reconhecido seu direito à percepção dos valores relativos aos depósitos do FGTS entre novembro de 1983 e julho de 1990. Esse período corresponde à época em que o empregado celetista exerceu cargo em comissão (regime estatutário) no órgão público fluminense.

Em seu recurso de revista, o trabalhador sustentava que a Serla, ao suspender a relação de emprego regida pela CLT para que viesse a exercer cargo de confiança, promoveu alteração unilateral do contrato de trabalho, com base em legislação estadual. “Aplicável, no caso, o Decreto Estadual nº 2.479/79 (Regulamento do Estatuto dos Funcionários Públicos Civis – RJ) que prevê a suspensão do contrato de trabalho do servidor que aceitar nomeação para cargo em comissão na administração direta ou autarquias, enquanto perdurar tal situação”, entendeu o TRT-RJ.

A decisão regional e a mudança de regime de trabalho teriam resultado, segundo o trabalhador, em afronta a dispositivos constitucionais e da lei trabalhista, como os art. 471 da CLT. Além disso, o empregado também argumentou que a alteração não representou um aumento significativo de salário e que a empresa causou prejuízos ao lhe transferir para o regime estatutário, deixando de recolher o FGTS.

O relator do recurso no TST, contudo, entendeu que o posicionamento adotado pelo TRT-RJ foi o correto para a questão. “Verifica-se que o Tribunal Regional, com base na prova documental, constatou que houve a concordância do empregado em aceitar a nomeação para o cargo em comissão, que pressupunha uma remuneração maior e a garantia dos direitos e vantagens conferidos aos servidores sob regime estatutário”, observou o juiz convocado Aloysio Veiga ao confirmar a conclusão regional de que a alteração do contrato não foi unilateral, nem causou prejuízos.

“De igual modo, não se vislumbra ofensa aos art. 471 da CLT”, acrescentou o relator. “O contrato de trabalho foi suspenso em obediência ao Decreto Estadual nº 2479/79, que previa a suspensão do contrato de trabalho quando o servidor aceitasse nomeação para cargo em comissão, da estrutura da administração direta ou das autarquias”, explicou Aloysio Veiga ao afastar o recurso. (RR 542197/99)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)